Forças Armadas não cumprem 'ordens absurdas' - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 13 jun 2020, 10:09

Forças Armadas não cumprem ‘ordens absurdas’

13 jun 2020, 10:09

Bolsonaro, Mourão e ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, assinam nota conjunta que enaltece o papel das Forças Armadas ao lado da democracia e da liberdade

bolsonaro-mourão - chapa - tse - ações

Presidente Jair Bolsonaro e vice-presidente Hamilton Mourão Foto: Arquivo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão responderam a decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre o artigo 142 da Constituição. Em nota conjunta assinada com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, eles destacam que as Forças Armadas não cumprem “ordens absurdas”.

A nota coloca panos quentes sobre a decisão, sem tensionar a decisão monocrática do ministro da Suprema Corte. Bolsonaro, Mourão e Azevedo destacam que, na liminar, Fux reconhece “o papel e a história das Forças Armadas sempre ao lado da democracia e da liberdade”.

Os três ressaltam, contudo, que as Forças Armadas estão sob a “autoridade suprema do presidente da República”. “As mesmas destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”, sustentam.

As Forças Armada, ponderam, não está a serviço para a tomada de poder, ainda que ao “arrepio das leis” ou “por conta de julgamentos políticos”. “As Forças Armadas não cumprem ordens absurdas, como, por exemplo, a tomada de poder. Também não aceitam tentativas de tomada de poder por outro poder da República, ao arrepio das leis, ou por conta de julgamentos políticos”, destacam.

Entrevista

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, também refuta toda e qualquer ideia antidemocrática do uso das Forças Armadas. Em entrevista à revista Veja, classificou como “ultrajante e ofensivo” falar em “golpe” ao se referir ao Exército, Marinha e Aeronáutica. E garantiu que Bolsonaro “nunca pregou o golpe”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

8 Comentários

  1. A Nota conjunta do Presidente, do Vice e do Ministro da Defesa foi bem clara : As Forças Armadas não aceitam tentativas de tomada de poder por outro poder da República, ao arrepio das Leis, ou por conta de “julgamentos políticos”.

    Responder
  2. A dica foi dada. Para o bem entendedor meia palavra basta.

    Responder
  3. A resposta está clara, os ministros do STF querem governar o país, mas não tiveram nenhum voto para isto. Sua única e exclusiva função é julgar transgressões a constituição. Mas parece que tais ministros se julgam com poder absoluto, contra tudo e contra todos!!!!

    Responder
    • Pois é, esta posição no mínimo dubia do ministro da corte parece uma nova versão do estado sou eu e no caso nós do caricato STF. Se eles dão recados também é natural que os recebam. E depois dizem que é o governo que tensiona…

      Responder
  4. Eu não confio nesse STF.

    Responder
    • Simplesmente, a melhor Revista em circulação. Sou fã!??????

      Críticas na medida certa; trabalho jornalístico baseado em fatos; jornalistas com credibilidade.

      Espero que continuem sempre nessa pegada!

      Grande Abraço!

      Responder
      • Revista NOTA 10. Parabéns. A Melhor revista da atualidade.

        Responder
  5. Perfeita a nota conjunta, colocando o STF de volta em sua casinha.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês