Fragilidade de políticas públicas ficaram evidentes com pandemia

Em 8 jul 2020, 18:02

Fragilidade de políticas públicas ficaram evidentes com pandemia

8 jul 2020, 18:02

Alerta é feito por grupo de economistas do Insper em livro com propostas para a retomada do mercado pós-passagem do coronavírus

Marcos Lisboa

O economista e presidente do Insper, Marcos Lisboa | Foto: Reprodução/ Redes sociais

Sair da crise desencadeada pelo coronavírus significa debater não apenas como retomar a situação de antes, e sim planejar e adotar medidas para tornar o setor público mais eficiente e estabelecer condições para que o Brasil possa voltar a crescer.

O alerta é feito no trabalho “Uma agenda econômica pós-pandemia: parte I – qualidade do gasto público e tributação”, coordenado por Marcos Lisboa, presidente do Insper.

Nele, a equipe do centro universitário liderada pelo economista apresenta um diagnóstico de deficiências do Estado brasileiro, demonstrando o resultado ineficiente de políticas públicas, os obstáculos criados por regras que levam ao aumento contínuo de despesas e as distorções decorrentes do sistema tributário atual.

O conjunto de fragilidades, segundo os autores, mostrou-se ainda mais evidente durante a pandemia.

E esse quadro pode ser agravado caso sejam tomadas escolhas como a expansão desenfreada de gastos.

“Estamos andando sobre gelo fino e com alto risco de perder o controle da nossa dívida pública, o que nos legaria décadas de inflação alta, instabilidade cambial e estagnação do crescimento econômico”, afirmam os economistas.

No trabalho, eles sugerem uma agenda ampla para tornar o setor público mais eficiente nos próximos anos, contribuindo para a redução da pobreza e da desigualdade.

Entre as propostas estão a realização de uma reforma tributária, a unificação de benefícios sociais existentes com a realocação dos recursos já utilizados, o controle do crescimento da despesa primária, a racionalização de gastos com pessoal, previdência e assistência social, a alteração de pontos da legislação federal para dar mais flexibilidade à despesa de Estados e municípios e a adoção de instrumentos que busquem melhorar os resultados de políticas de educação e saúde.

Além de Lisboa, participaram de da obra o pesquisador Marcos Mendes, a economista Laura Müller Machado, o professor  Ricardo Paes de Barros e o também economista Vinícius Botelho.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Se o Judiciário, Congresso e elites do funcionalismo público deixarem!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias