Gestores bancários da América Latina acreditam no fim das agências, aponta pesquisa - Revista Oeste

Edição da semana

Em 15 set 2020, 10:30

Gestores bancários da América Latina acreditam no fim das agências, aponta pesquisa

15 set 2020, 10:30

Novas tecnologias devem aumentar em 57% as transações bancárias em um ano, aponta pesquisa

reforma tributária, ipea, unificação de impostos

Imagem Ilustrativa | Foto: Domínio Público/PxHere

Mais de 94% dos executivos bancários da América Latina acreditam que as agências físicas vão sumir, revela pesquisa recente da consultoria The Economist Intelligence Unit em parceria com a Temenos, empresa especializada em softwares corporativos para bancos e serviços financeiros. De acordo com o  estudo, que ouviu mais de 300 gestores em todo o mundo, as transações bancárias aumentarão cerca de 57% em um ano graças às novas tecnologias. Dois terços dos entrevistados acreditam que o setor será impulsionado por inovações tecnológicas nos próximos cinco anos, sendo que 45% apostam que o futuro será desenvolver um “ecossistema digital”, ambientes no mundo virtual em que o usuário consegue acessar diversos produtos de maneira integrada.

Na opinião de 35% dos dirigentes, os maiores investimentos serão em segurança cibernética. Para 33%, o desenvolvimento de plataformas de inteligência artificial (IA), como os canais em que os clientes interagem com gravações de áudio e as ferramentas de consultoria digital. E 27% apontam para as plataformas com dados acessíveis em qualquer ponto do planeta.

A pandemia colaborou para que o impulsionamento digital ganhasse destaque. O American Banker — jornal especializado em assuntos do setor financeiro — registra um aumento de 40% nas operações via internet depois que o vírus chinês se alastrou pelo mundo.

Espaço para inovações bancárias no Brasil

Segundo o vice-presidente de Serviços Temenos Latam, Álvaro Bacellar, ainda há muito espaço para crescimento. “Os bancos estão usando IA que pode afetar a vida das pessoas de forma decisiva e os órgãos reguladores vão pedir cada vez mais para saber como a tecnologia faz isso”, afirma. Ele também explica que 70% das pessoas que iniciam o processo de abertura de uma conta on-line param no meio do caminho. Na área de empréstimos, chega a 90%. “Isso cria uma oportunidade muito grande para haver uma mobilidade rápida nesse mercado”, diz.

O Itaú Unibanco, a maior instituição bancária do Brasil, acredita nessas tendências. Fernando Beyruti, responsável pela área de clientes internacionais do banco, afirma: “Investir em tecnologia que possa gerar rentabilidade sustentável, eficiência e focada no cliente é um pilar fundamental da estratégia de negócios do Itaú”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Penso que haverá uma forte redução, mas não uma eliminação.
    Existe uma grande parte dos “bancarizados” que precisam estar em contato com os seus gerentes e o ambiente das agências.

    Responder
  2. Tô lascado. Q Jesus me proteja. Kkkk não entendo nada d tecnologia.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês