Governo aguardará por ‘vacinas mais confiáveis’ - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 21 out 2020, 20:53

Governo aguardará por ‘vacinas mais confiáveis’

21 out 2020, 20:53

Bolsonaro dá como encerrada questão sobre a Coronavac

bolsonaro x vacinas

O presidente Jair Bolsonaro | Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O presidente da República, Jair Bolsonaro, reforçou na noite de hoje que o governo federal não comprará nenhuma dose da vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac Biotech. De acordo com ele, falta “credibilidade” à Coronavac, como o projeto de imunizante é popularmente conhecido.

Leia mais: “PT apresenta projeto para obrigar vacinação contra a covid-19”

Bolsonaro informou que o governo federal aguardará por “vacinas mais confiáveis”. A afirmação foi feita em entrevista ao Os Pingos nos Is, programa da rádio Jovem Pan que conta com as participações de três colunistas da Revista Oeste: Augusto Nunes, Guilherme Fiuza e Ana Paula Henkel. Citou, por exemplo, que o Executivo federal investiu na vacina de Oxford.

Na entrevista, Bolsonaro aproveitou para falar sobre o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. O presidente definiu como “precipitada” a informação divulgada ontem, de que a pasta compraria milhões de doses da Coronavac — o que já havia sido vetado pelo mandatário do país. Apesar disso, Bolsonaro cravou que o general seguirá na equipe, pois “não há problema algum” entre eles.

Por fim, Bolsonaro definiu a questão como “assunto encerrado.”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 Comentários

  1. Presidente sou seu eleitor mas você está equivocado a vacina do Butantã é produzida com vírus inativado que todos nós já tomamos portanto não seremos cobaias já a de Oxford nunca foi testada em humanos pois é um método novo . Prefiro a do Butantã. Respire fundo e ponha Deus na sua decisão.

    Responder
    • Se for aprovada pela Anvisa use ela não faça a população de cobaia . Poderá ser seu maior erro. Até agora você está indo bem, não se ache o Rei da cocada. Esta é uma crítica construtiva. Você tem o meu apoio .

      Responder
    • Butantan

      Responder
  2. Parabéns, Bolsonaro!! Desde o início da pandemia é a ÚNICA AUTORIDADE SENSATA que tem demonstrado real preocupação com a sociedade.
    O “genocida” que protege o povo do autoritarismo do STF, do Congresso e de governadores.

    Responder
    • O erro foi a escolha com o “fígado” de Kassio Nunes.

      Responder
  3. Vacinas desenvolvidas às pressas são realmente seguras e eficazes? A ciência leva anos para desenvolver uma vacina e mesmo assim depois de passar por várias etapas, e aprovada e disponibilizada para a população, ocorre a interrupção do uso. Algumas delas são modificadas para possibilitar a segurança e melhor eficiência. O vírus chinês tem baixa letalidade, semelhante à da influenza, a maior parte das pessoas não apresentam sintomas, os médicos já sabem como tratar os efeitos da doença, temos, inclusive, remédios para tomar na fase inicial da doença, então vale a pena tomar a vacina “rápida”, seja ela de qualquer nacionalidade ? Penso que não.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês