Governo está próximo de acordo para votar novo Fundeb - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 21 jul 2020, 08:55

Governo está próximo de acordo para votar novo Fundeb

21 jul 2020, 08:55

Ministro Luiz Eduardo Ramos teve reunião com Rodrigo Maia e pode acatar sugestões da Câmara sobre novo Fundeb

novo fundeb

Novo fundo de financiamento da educação deve ser elevado | Foto: Agência Brasília

Integrantes da Câmara e o governo estão próximos de um acordo e podem votar, na tarde desta terça-feira, 21, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 15/2015, que prevê um novo Fundo de Desenvolvimento e Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb).

Na noite de ontem, segunda-feira 20, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, esteve com parlamentares para discutir mudanças no texto que está em tramitação. Entre eles, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ramos sinalizou que acataria parte das sugestões dos deputados. Contudo, antes de bater o martelo, ele pediu tempo para consultar o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre as alterações.

O Poder Executivo trabalha sobretudo para limitar os recursos que poderão ser utilizados para o pagamento de salários de professores, além de repassar parte dos recursos do Fundo para o novo programa Renda Brasil. Os deputados são contra. Os parlamentares defendem o aumento de 20% para 23% da participação da União na receita complementar para, assim, financiar a educação. Além disso, eles não querem que o dinheiro do Fundeb seja utilizado para programas de transferência de renda.

Preocupações

“O próprio governo demonstra preocupação para ampliação na área de cobertura (da educação infantil). Hoje, temos cerca de 6 milhões de crianças na educação infantil que não têm vaga. Estamos tentando construir uma prioridade da primeira infância”, disse à CNN Brasil a relatora do novo Fundeb, a deputada Professora Dorinha Seabra (DEM-TO), que também participou do encontro entre Maia e Ramos.

A vigência do atual Fundeb acaba em dezembro deste ano. A PEC 15/2015 torna o Fundeb permanente. Além disso, aumenta a participação da União na forma de receita complementar para financiar a educação infantil e os ensinos fundamental e médio.

Segundo parecer preliminar sobre a Proposta de Emenda Constitucional, divulgado na última sexta-feira, 17, os valores colocados atualmente pelo governo federal no Fundeb aumentarão ao longo dos próximos seis anos: 12,5% em 2021; 15% em 2022; 16,5% em 2023; 18% em 2024; 19% em 2025; e 20% em 2026. Os deputados articulam-se para que os valores cheguem a 23% em 2026.

Com informações da Agência Câmara

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

É o “mecanismo”

É o “mecanismo”

A 3ª maior doadora da campanha paulistana do PSOL é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês