Governo fará campanha de conscientização sobre vacina - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 20 nov 2020, 08:51

Governo fará campanha de conscientização sobre vacina

20 nov 2020, 08:51

Medida é considerada alternativa à obrigatoriedade de se imunizar contra o coronavírus

governo fará campanha de

Empresas farmacêuticas anunciaram a eficácia de seus imunizantes experimentais | Foto: Fundação Gates/Flickr

O Ministério da Saúde lançará em dezembro uma campanha de conscientização sobre vacinas contra a covid-19. O objetivo é tranquilizar os brasileiros. A medida é vista como alternativa à obrigatoriedade da imunização. De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde, a pasta quer informar sobre o processo de produção e aprovação das vacinas. Ele ressalta que a campanha de dezembro será apenas a primeira etapa. A segunda ocorrerá assim que houver a definição do total de doses, datas de oferta e população a ser vacinada.

Leia também: “Covid-19: Obrigatoriedade ou não da vacina? Entenda”

“Esse ministério tem um compromisso sério com a população brasileira de só vacinarmos quando tivermos certeza de que estamos diante de uma vacina registrada com garantia de eficácia”, afirmou o secretário, em entrevista coletiva, na quinta-feira 19. Várias empresas farmacêuticas anunciaram a eficácia de seus imunizantes experimentais: Pfizer, Oxford/AstraZeneca e Moderna. Além disso, o primeiro lote de 120 mil doses da CoronaVac (conhecida na internet como “vachina”) chegou ontem ao Brasil, conforme noticiou Oeste.

Precisamos esperar por um imunizante? Saiba mais sobre o tema neste link

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Para que a Anvisa não tenha que novamente ir ao Senado se explicar porque aprovou a vacina A antes da B, C, ou D, se todas estão na mesma fase de testes, entendo que o melhor procedimento para tranquilizar a população, será a ANVISA pedir o aval da OMS para também assumir a responsabilidade de aprovação conjunta após analisar os testes e aprovar simultaneamente todas.
    Afinal, a OMS não tem a responsabilidade final, pós aprovações dos órgãos nacionais competentes?
    Já que todos estão preocupados com a saúde da população e observando a CIÊNCIA, porque essa ansiedade em sair na frente? Isto não vai criar grandes aglomerações, sem sequer termos a logística adequada para a vacinação em todo o pais? Creio que não faltará parlamentar para criar uma CPI mista da VACINAÇÃO.
    Mais ainda, o Instituto Butantã só quer produzir a vacina Coronavac? Não poderá fazer acordo e produzir a da PFIZER para evitar transportes em baixa refrigeração, ou qualquer outra que a OMS e a ANVISA aprovarem?

    Responder
  2. Nada contra vacinas, eu mesmo tomei todas a que tinha direito quando criança, me lembro até hoje da fisionomia e do nome do farmacêutico e associo sua imagem à injeção que fatalmente seria aplicada, deve ser por isso que não o esqueço jamais, trauma de infância. Mas eram vacinas testadas e confiáveis e não existiam essa corja de políticos canalhas que tem hoje e que estão pouco se lixando para a população deste país. Portanto vacine quem quiser, vou continuar aguardando o prazo regulamentar para depois me submeter ao processo. Já ouvi alguém dizer que um bolo não se assa com menos de 45 minutos de forno e se deixar mais do que isso o bolo queima e menos, o bolo não fica prestando. Entenderam ou é preciso desenhar?

    Responder
  3. A Anvisa é um órgão sério e composto
    por técnicos concursados e competentes.
    Não se submetem a pressões políticas.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês