Governo já tem consenso sobre o Renda Cidadã - Revista Oeste

Edição da semana

Em 28 set 2020, 13:57

Governo já tem consenso sobre o Renda Cidadã

28 set 2020, 13:57

Governo deverá desembolsar cerca R$ 60 bilhões no próximo ano para bancar o novo programa social

proposta

Proposta está sendo finalizada pelos líderes do Congresso | Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro e líderes do Congresso fecharam nesta segunda-feira, 28, o acordo sobre a proposta do novo programa social Renda Cidadã. Substituto do Bolsa Família, o projeto terá custo mais alto para o governo e será financiado com precatórios e cerca de 5% do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Ao lado de Bolsonaro e do ministro Paulo Guedes, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que o novo programa não vai furar o teto dos gastos. Conforme Oeste apurou, o valor pago para os beneficiários do Renda Cidadã será entre R$ 200 e R$ 300.

De acordo com o senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC emergencial, o valor deverá ser aumentado a cada período, conforme o aumento do espaço no Orçamento.

O Bolsa Família atende atualmente 14,28 milhões de famílias. A despesa no Orçamento para 2021 está prevista em R$ 34,9 bilhões. Com a reformulação, o valor gasto pela União pode passar dos R$ 60 bilhões no próximo ano.

“A proposta que foi desenhada traria pelo menos R$ 30 bilhões a mais”, afirmou Bittar.

Reforma tributária

Além de debaterem o novo programa social, líderes e governo também trataram da próxima fase da reforma tributária. O objetivo é testar a aceitação dos partidos da base em relação à proposta do Executivo, que deve incluir na reforma um novo imposto sobre transações digitais, semelhante à extinta CPMF.

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou haver negociação para fixar em 0,2% a alíquota prevista pelo governo para o imposto sobre todas as transações. Essa proposta seria tratada pelo relator da reforma tributária, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). No entanto, ainda não existe consenso sobre o projeto.

 

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Tirando algum dinheiro em caixa, vai dar 200 paus pra cada branco. Pago sem chiar. 60 milhões de votos, vai sair na urina. Pague vc tb. Precisamos triturar o PT.

    Responder
  2. Interessante demais.
    Base cada vez mais estruturada no Congresso.
    Importante tomar essas pautas.

    Responder
  3. Infelizmente, toda reforma sempre passa pelo bolso de quem não pode reclamar: os mais pobres.
    Temos no congresso bancadas do futebol ,dos funcionários públicos, evangélicos, do “toma lá dá cá” e por aí vai.
    Mas. onde está a bancada do “zé povinho”, aqueles que realmente criam riquezas, passam a via inteira pagando imposto e se aposentam com a “merreca” de no máximo R$ 5 mil e tanto e, olhe que são poucos – Dilma por exemplo – que o conseguem.
    Agora vem de novo a tal da CPMF, disfarçada ou sob a mentira que irá criar empregos e, é tão pouco que ninguém sentirá.
    Começou assim e, a medida da necessidade ou cara de pau foi aumentando e sufocando quem pouco tem.
    R$ 2 reais em R$ 1 mil? Para as ilustres excelências parece nada – afinal até tapioca era comprada com cartão corporativo – pois quase nunca poem a mão no bolso para pagar algo.
    Brasilia, nossa ilha de fantasia; o resto do país? Dane-se, pague e não reclame!
    inté!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês