Refinarias da Petrobras podem ser vendidas sem aval do Congresso

Edição da semana

Em 1 out 2020, 18:47

Governo não depende do humor do Congresso para vender refinarias da Petrobras

1 out 2020, 18:47

É o que na prática acaba de definir o Supremo Tribunal Federal (STF)

refinarias da petobras - stf - governo - congresso

Refinarias da Petrobras: processo menos burocrático para a iniciativa privada | Foto: Agência Brasil

Deputados federais e senadores da República não precisam dar aval para o governo federal vender para a iniciativa privada as refinarias e outras subsidiárias da Petrobras. Esse é o resultado prático da decisão tomada na tarde de hoje pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais: “Lava Jato apura fraudes de R$ 7,7 bilhões na Petrobras”

Por seis votos a quatro, o STF validou o plano de venda das refinarias sob controle da petrolífera estatal. Dessa forma, o Poder Executivo não precisa submeter ao Congresso Nacional os processos de comercialização das divisões. Assim, o governo fica mais livre para desonerar a máquina pública e, consequentemente, desinchar o Estado brasileiro.

Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux validaram o projeto do governo federal, que chegou ao STF por contestação de congressistas. Na votação de hoje, Edson Fachin, Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber saíram derrotados, pois foram favoráveis a esse tipo de desestatização seguir com aval do Parlamento. De licença médica, o decano Celso de Mello não participou da sessão.

“A Petrobras não pretende perder valor na bolsa, ou perder controle acionário, mas pretende otimizar sua atuação e garantir maior rentabilidade a empresa”, disse Moraes ao proferir seu voto, informa o site do jornal O Estado de S. Paulo.

Vitória da Economia

A decisão do Poder Judiciário sobre vendas de refinarias da Petrobras representa uma vitória para a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes. O governo federal tem usado a estratégia de privatizar partes de estatais, as chamadas subsidiárias, visto que o processo é mais simplificado e não precisaria passar por votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Com colaboração de Wesley Oliveira.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Finalmente uma boa notícia vinda do STF.

    Responder
  2. E a partir de novembro, sai um juiz de merdha para entrar um desembargador esquerdista de merdha!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês