Governo vai ampliar transposição do São Francisco - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 22 out 2020, 06:40

Governo vai ampliar transposição do São Francisco

22 out 2020, 06:40

Orçado em R$ 1,77 bilhão, o ramal do Apodi deve beneficiar 600 mil pessoas

governo

Bolsonaro, em evento de inauguração de trecho do São Francisco | Foto: Allan Santos/PR

Na terça-feira 20, o governo federal abriu processo de licitação para construir um trecho adicional de 115 km de canal da transposição do rio São Francisco. A obra foi orçada em R$ 1,77 bilhão. O chamado ramal do Apodi deve levar água à Chapada do Apodi (RN), cujos produtores acreditam que conseguirão criar um polo de fruticultura irrigada do porte do que se formou em Pernambuco e na Bahia, no Vale do Rio São Francisco.

Leia também: “Governo aguardará por ‘vacinas mais confiáveis’”

Com previsão de ficar pronto em quatro anos, o ramal é uma obra complementar ao projeto da transposição, cuja obra principal já beneficiou diretamente 12 milhões de pessoas, segundo estudos do Ministério do Desenvolvimento Regional. Com ramal do Apodi, serão mais 600 mil pessoas contempladas, em 32 cidades apenas no Rio Grande do Norte. E 48, considerando também os Estados da Paraíba e Ceará.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

11 Comentários

  1. Essa sempre foi a solução para o Nordeste – tecnológica, entrega de água, auto sustentável no tempo, para desenvolvimento da região e redução da migração para cidades abarrotadas de indivíduos, tais como Rio e São Paulo.
    Faltava um brasileiro, patriota, honesto e corajoso para brigar contra a corja de esquerda que necessita da manutenção de miséria do povo para aparecer!

    Responder
  2. Válida a iniciativa, entretanto devemos observar que um projeto mal feito deve sofrer um ajuste, e esse projeto é mal feito, vamos aos fatos:
    Se calcularmos as perdas por conta da evaporação iremos chegar a um número próximo aos 10% pelo menos!
    Ora, se fazemos megas tubulões como artérias dessa irrrigação, garantirtemos menor perda por evaporação, até porque o agreste é varrrido por ventos constantemente, e a umidade acaba indo para onde já existe umidado!
    Não tem um átomo de racionalidade esse projeto dos comunas, é uma imensa calha aberta a céu aberto, e pior, nem tem a maior volume correndo por baixo, pois é uma calha triangular com a base voltada para cima, ou seja, a maior exposição possivel do espelho d’água!!
    É evidente que faz-se necessário um ajuste no projeto, para garantir a cobertura do espelho d’água, reduzindo a evaporação. Todo rio (o que esse projeto emula) tem uma cobertura ciliar ao longo de toda sua margem, o que garante a preservação do manacial de água, sem a cobertura o rio seca!
    E essa calha só não seca porque drena o São Francisco vorazmente e prejudicialmente!
    Fazer obras de infra é ótimo, mas fazê-las toscas ou manter projetos toscos é tosco. A cobertura para evitar a evaporação não é algo tão caro, até porque pode ser feita até com telas, ou plantando árvores ao longo do curso da calha!

    Responder
    • É interessante seu comentário, nos traz um pouco de conhecimento técnico.
      No entanto, tenho dúvidas quanto às consequências, visto que todo o trajeto do rio criado artificialmente será passível de irrigação natural, justamente devido a umidade originada pela evaporação do espelho d’água.
      Dessa forma acredito que isso possa beneficiar as regiões ribeirinhas pelo corresponde acréscimo de umidade, bem como pelo acesso à água, e não apenas as pontas terminais.
      Não sei o quão de vento e quão de umidade será levada para longe, via ventos alísios e contra-alísios, por exemplo.
      Não conheço o estudo de viabilidade técnica do projeto.

      Responder
      • Caro Marco Polo, entendo seu ponto de vista, entretanto observo que a geometria da calha é irracional, observe que o ponto mais estreito é ambaixo em vez de em coima, se fosse como o símbolo ômega de cabeça para baixo (aberto em cima) seria uma solução mais coerente, e mais, não existe formas de segurar a umidade no agreste, o solo é CLARO e com pouca cobertura, por isso a temperatura usual gera térmicas fortes e essas dão tchau para a umidade!
        Observo mais, o conceito de 100% de umidade corresponde a 2% de água no ar, e isso é devido ao peso da gota, quando elas adquirem um tamanho que as leva a colisões, elas aumentam de volume e precipitam. E aí, é sinal que extrapolou os tais 100% de umidade. Só que no agreste as gotículas de água são infinitezimais, e nao ficam sequer próximas ao solo, fogem rápido no embalo do vento.

        Responder
        • Prezado Cesar, não entendi seu comentário acerca da seção do canal, mas imagino que nossos técnicos não projetariam algo que mal funcionasse. De outra forma, é fato que boa parte da água será evaporada, no entanto, não estamos tratando de uma região desértica, mas de agreste e do sertão, esse último do bioma da caatinga, vegetação rasteira, arbustos espinhentos e árvores de pequeno porte. Portanto, existe vegetação para absorção/adsorção da umidade.
          O q

          Responder
          • Caro Marco Polo, infelizmente tenho que lhe dizer que sim, “nossos” tecnicos fizeram uma imensa besteira. Se observar em fotos, verá que a calha tem uns 120 graus de abertura, fazendo-a uma imensa canaleta “rasa” com uma imensa (a maior superfície possível) boca para cima, para o ar seco que absorve água mais que esponja!
            Se for a um local bem seco verá que a seca inclusive gela a água, pois rouba com as micro bolhas que “fervem” na superfície todo o calor! É o mesmo sistema que garante água de moringa e de talha de barro absurdamente fresca quando tudo ferve! Se estiver em lugar úmido, esse frescor é menor, e no seco é absoluto, pois a água que cruza a parede porosa do barro é evaporada instantaneamente levando todo o calor com ela! É por isso que a água é usada para trocas térmicas, ela é muito boa nisso, e para fazer isso ela precisa evaporar ou ser resfriada (radiadores)!
            O problema é que todo o ensino é compartimentado, e quem estudo engenharia civil não estuda aerodinâmica, eletrica, meteorologia, biologia, química, etc. De forma holística, com uma visão epistemológica, ampla, de forma que entenda todass as interaçoes pertinentes em uma determinada proposta!
            A absorção de umidade no agreste é pequena, as as folhas são de cutícula grossa, para não evaporarem, a maior absorção se dá por baixo, existem bons lençois freáticos na região, vide os poços artesianos feitos com o dinheiro do povo dentro de terras de parlamentares coroneis, em desvios de recursos de programas de desenvolvimento do nordeste.

            O que falei sobre a forma do tubulão foi o seguinte, um tubo com um curte longitudinal correspondendo a uns 15 graus de arco, e com uma grade para evitar animais ou até pessoas cairem, pois se isso acontecer, o resgate será mais complicado.

            O que não tem sentido é expor um bruta espelho de água a secura do agreste em vezde protegê-lo como faria naturalmente a natureza!! Não é comum uma calha de rio que não seja protegida por uma cobertura verde!!!

            Responder
          • O nome do órgão que teve desvio das águas de poços artesianos foi o DNOCS.
            Lá não falta água, falta vergonha na cara dos governantes!

            Responder
    • Na linha do que o Marco comentou abaixo, seus comentários parecem incompletos. Fazer mega tubulões só garante água numa transmissão “ponto a ponto” e que beneficiaria apenas as populações próximas a estes pontos. Ao contrário, o motivo é exatamente expandir a oferta aquífera para a produção de alimentos da região a todos. Vc tb falou para prover de cobertura ao longo do canal, o que seria centenas de km e a que custo e por quanto tempo. Outra coisa, reduzir o espelho de água para reduzir a evaporação. Por quanto sairia isso e por mais quanto tempo o povo esperaria? A evaporação tb é necessária e questiono seus 10%, o número é alto demais; certamente isso não passaria despercebido pela esquerdalha se quisessem barrar o projeto. Vc tb disse q o canal devora vorazmente a água do rio; bobagem, muito tem sido dito sobre isso, mas sem o projeto que estabelece diâmetro e número de canais para a balança entre vazão e pressão, tudo fica no achismo. A esquerdalha usava isto para barrar o projeto conforme o interesse ou fazê-lo quanto havia dinheiro para roubar. Em suma, o discurso para que a obra jamais acabasse. Vc está imaginando o projeto para atender apenas ao que existe hoje de produtores e pecuaristas na região, mas o objetivo é bem mais ambicioso, é aumentar o número de produtores.Por este motivo o marco do gás vai chegar ao nordeste, além da construção de estradas e ferrovias, pois a Europa está logo ali.
      estou muito tranquilo quanto a isso, pois nunca tivemos um ministro de infra tão brilhante, honesto e competente quanto o Tarcísio, que tem uma equipe melhor ainda.

      Responder
      • Caro AGN, meu comentário foi completo, a sua proposta desconhece os fatos.
        Vamos lá: uma calha de una quase cinquenta metros de largura é um exagero de espelho d’água, e essa calha é assim, “apreciei” essa “obra” nos tempos da dilmanta, a vi seca, e sei do que falo.
        Por exemplo, o solo de concreto não tem permeabilidade quase alguma, enquanto um tubulão, uma manilha, de barro ou cimento tem uma relativa permeabilidade, logo há uam eleve evaporação que irá contribuir para a germinação de plantas primitivas como musgo, liquem, e com isso gera um bioma primario fundamental para todos os biomas secundáriuos, terciários, etc.
        Outro detalhe, todo sistema de tubulão tem os “T” de comunicação, e não a besteira que falou de “ponto a ponto”, ou seja, É POSSIVEL FAZER UMA PEQUENA COMPORTA DE COLETA DE ÁGUA , e isso feito a cada vinte manilhas/tubulões garante o acesso a água em uma medida coerente, pois no agreste todas as propriedades são espaçadas, naõ existe amontoamento.
        A COISA MAIS FÁCIL É PLANTAR AO REDOR DA CALHA, até a evaporação pela parede semi permeável garante isso, e mais, não se pode plantar plantas com raizes fortes, ou quebraria a estrutura, ou seja, vc se manifesta sem sequer ter noção de com que está falando, isso é tipico de petistas! O clássico ataque ad hominem, deve ser o despeito…
        Outro detalhe, vc arroga entender de dinâmica de evaporação sem saber nada, e acha que eu falo achismos??
        Chega ao ponto de afirmar que sabe qual a perda por evaporação sem sequer saber a área da superficie de uma seção com cinquenta metros de comprimento.
        E no fim manda o despautério de afirmar que o Velho Chico não se Incomoda com essa vasão???
        Já andou por esse Brasil?
        Dá uma passada em penedo na beira do S. Chico e aprecie o assoreamento, em petrolina é possivel cruzar o rio na seca (não todas as secas, pois secas são ciclicas) sem molhar os pés!!
        Ninguém está aqui defendendo ecologia xiita, o que estou falando é que grande superficie de evaporação garante perda enorme mas é palanque eleitoral total, e por isso essa obra é coisas dos comunas, para fazer farol!
        Mas o grande Tarcisão poderia ter parado para analisar a questão evaporativa.
        Sugiro que vá estudar, sua medida NÃO É A MINHA.

        No mais falou um monte de ufanismo irracional, como se só vc soubesse das benesses desse governo!
        Quando for se manifestar sugiro que estude antes e só fale a respeito do assunto abordado em vez de descambar para o ufanismo pueril!

        Responder
  3. Sou engenheiro civil e apreciei a boa conversa acima. O Ministro Tarcísio, bacana que é, tomara assine a Revista ou que a Redação leve ao conhecimento dele. Importante é fazer o melhor.
    E que o canal, coberto ou não, flua sempre pela “Direita”, e certamente em breve serão 1 milhão de beneficiados, desinchando as capitais.

    Responder
    • É por aí, caro Ângelo, conheço essa obra desde as roubalheiras e procrastinações de antanho, é uma vergonha, que o Tarciso resolveu transformar em limonada esse limão azedo, mas creio que em breve haverá a cobertura fundamental, quando o dinheiro desse investimento começar a entrar.
      A dentrei o tema só para mostrar que uma obra mal projetada garante SEMPRE um remdiar que pode até ser mais caro que a obra em si!
      E não só no Brasil existem as antas de canudo mas com QI (quem indique) que foram por muito tempo os escolhiudos para fazer as obras, vide o oscar niemeyer que é um incompetente medíocre, mas que teve para limpar as besteiras dele o magistral engenheiro Joaquim Cardozo.
      Vc como engenheiro deve ler o livro dele falando dos cálculos de assentamento do cimento para fazer o prato de cabeça para o alto do congresso nacional!!
      Sem ele, o niemeyer não seria NADA!!
      Desenhar besteira é fácil, inclusive existe aquele chiste famoso nos meios acadêmicos, que diz que o arquiteto é o cara que não é homem suficiente para fazer engenharia civil, e tampouco mulher o suficiente para fazer decoração! 😀

      O Brasil está melhorando, mas o povão tem que parar de achar que medida de TV globo, ou outra qualquer, é medida de alguma coisa! Tá na hora do povo acordar e entender que só o presidente e os homens do presidente não são suficientes para limpar essa degeneração sistêmica que nos assola há mais de século e pouco!

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

O ataque

A baderna no Capitólio é mais um sintoma da crise da democracia do que a causa de novos problemas

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês