Governo vai testar remédio que apresentou 94% de eficácia contra a covid-19 em laboratório - Revista Oeste

Em 15 abr 2020, 14:28

Governo vai testar remédio que apresentou 94% de eficácia contra a covid-19 em laboratório

15 abr 2020, 14:28

O nome não será divulgado antes dos resultados dos testes

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O Brasil vai testar nas próximas semanas, em humanos, um remédio que mostrou 94% de eficácia contra o coronavírus em testes de laboratório.

O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 15, pelo ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.

De acordo com a pasta, foram encontrados dois remédios que reduzem a replicação do novo coronavírus em células humanas, sem causar efeitos colaterais. Uma dessas drogas teve eficácia de 94%.

Marcos Pontes não divulgou o nome dos medicamentos, mas garantiu que eles têm baixo custo e ampla distribuição.

A expectativa do ministro é que o resultado dos testes seja divulgado até a metade de maio. Nas próximas semanas, 500 pacientes devem receber os fármacos.

Especialistas afirmam ser necessário aguardar os resultados em humanos, já que é comum testes promissores in vitro apresentarem resultados abaixo do esperado em humanos.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Parabéns, é o Governo trabalhando em diversas frentes na busca da cura para o vírus chinês.

    Responder
  2. O que deve ter de gente,torcendo para não dar certo,mas tenho certeza que a maioria esta torcendo a favor!

    Responder
    • Inclusive o ministro da saúde…

      Responder
  3. Pode-se até aceitar o sigilo por razões técnicas. Mas até agora só existem cinco medicações que estão tendo esse percentual de sucesso e mesmo assim não isoladamente (tem que estar associadas a outras). Hidroxicloroquina, Azitromicina e Claritromincina (antibióticos), Metilpredinisolona (cortocoestreóide) e Zinco.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias