Guedes diz que reforma tributária ampla pode reduzir impostos

Edição da semana

Em Em 29 jul 2020, 16:17

Guedes diz que reforma tributária ampla pode reduzir impostos

29 jul 2020, 16:17

Titular da Economia se reuniu com relator da reforma no Congresso e afirmou que há ‘convergência de princípios’ com o Legislativo

paulo guedes, reforma tributária, congresso nacional, relatoria, reunião

Para Paulo Guedes, reforma tributária ampla pode até mesmo extinguir alguns impostos | Foto: Alan Santos/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira, 29, que, com uma base ampla de tributação, é possível reduzir e até acabar com alguns impostos.

Guedes esteve hoje em reunião com o relator da reforma tributária no Congresso, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) para discutir o texto enviado pelo governo.

Também estiveram no Palácio do Planalto o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos, e o secretário especial da Receita Federal, José Tostes.

De acordo com Guedes, a reforma criará uma redistribuição da carga tributária, de forma a aumentar a base, e assim será possível eliminar e até reduzir tributos, como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Se houver uma base ampla nova, ela permitirá extinguir vários impostos, como os cobrados sobre eletrodomésticos, além de aumentar a faixa de isenção do Imposto de Renda.

“Muita coisa pode ser feita se conseguirmos uma base ampla que tribute quem não pagava antes e permita pagar menos àqueles que já pagavam. Quando todos pagam, todos pagam menos”, disse o ministro após o encontro, ao lado do deputado Aguinaldo Ribeiro.

Segundo Guedes, a reunião mostrou que há “convergência de princípios” entre o governo e o Congresso para fazer a reforma tributária.

Aguinaldo Ribeiro pontuou que esses princípios são simplificação tributária, transparência, justiça tributária, com redistribuição da carga tributária e sem aumento do volume de impostos pagos pelos contribuintes.

“Isso é fundamental para que possamos ter uma reforma que vai impactar positivamente nosso país. Todos desejamos ter um sistema que possibilite melhorar o ambiente de negócios, a confiança no nosso país, que traga segurança jurídica, estabilidade, e que isso gere um impacto no nosso PIB.”, concluiu o parlamentar.

Redistribuição tributária

Guedes frisou que o governo não quer aumentar a carga tributária. “Não vamos aumentar impostos. É uma redistribuição de carga”, destacou.

O ministro defende a criação de imposto sobre transações eletrônicas na reforma para compensar a desoneração da folha de pagamentos.

“Podemos reduzir o Imposto de Renda, eliminar alguns IPIs. Podemos até reduzir cinco, seis, sete, oito, dez impostos, se tiver uma base ampla onde se criem novas incidências para pessoas que não pagam, [como] pagamentos digitais. Tem uma economia nova digital surgindo”, acrescentou.

Guedes também afirmou que o envio de reformas como a tributária e a administrativa ao Congresso Nacional não depende da equipe econômica. “Quem dá o ritmo das reformas é a política, não é a equipe econômica”.

O ministro da Economia reafirmou que tem a reforma administrativa pronta e espera o momento oportuno para enviá-la ao Congresso.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Não concordo com a nova CPMF, tenha o nome que tiver.

    Responder
  2. Existem veículo de comunicação que estão dizendo que a reforma tributária aumentará o valor do livro. É verdade isso?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

O ataque

A baderna no Capitólio é mais um sintoma da crise da democracia do que a causa de novos problemas

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês