Guedes garante que haverá mais reformas após o 2º turno - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 23 nov 2020, 14:43

Guedes garante que haverá mais reformas após o 2º turno

23 nov 2020, 14:43

Ministro citou os projetos de autonomia do Banco Central, a nova Lei do Gás como pautas de baixo custo político que devem avançar

Ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: Reprodução/Firjan

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda-feira, 23, que há “conversas sendo feitas” e que logo depois do segundo turno das eleições virão “mais reformas”.

Ele citou os projetos de autonomia do Banco Central, a nova Lei do Gás e o novo marco da cabotagem como pautas de baixo custo político que devem avançar.

Leia mais: “Governo pretende privatizar transposição do Rio São Francisco”

“Já tem mais coisas aí sendo costuradas, conversas sendo feitas e logo depois das eleições já vêm mais reformas”, afirmou Guedes em evento promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro.

O ministro da Economia ressaltou que o Brasil tem cultura de estabilidade monetária, mas situação contrária em relação ao controle de gastos.

“A democracia brasileira funcionou extraordinariamente bem para enfrentar a maior crise que o Brasil já passou. O Congresso foi reformista. Tomou as decisões”, comentou Guedes, voltando a destacar a medida que veta o aumento para o funcionalismo público.

O ministro ainda reafirmou a necessidade de aprovação do pacto federativo para que a classe política possa ter controle sobre o orçamento. “Ministro é ferramenta, quem teve voto é governador, prefeito, eles que têm de tomar conta dos orçamentos públicos”, disse Guedes.

Com informações do Estadão Conteúdo

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Pois é, com toda a dificuldade que encontra no parlamento para seguir com medidas e reformas necessárias para o país, Paulo Guedes ainda elogia e reconhece no nosso Congresso alguns méritos.
    Seguramente é para não chutar logo o “pau da barraca”, e sair dessa vida. Não sei como o ministro além de aguentar os inquietos Maia e Alcolumbre, que constantemente deixam caducar diversas medidas provisórias, e quase também a importante MP871 (combate fraudes da previdência) votada no última dia de validade, ainda aguenta ouvir tanta dramaturgia, inveja e desqualificação do governo feita pelos decadentes economistas e entendidos tucanos e assemelhados diariamente no Estadão, como Jose Roberto Mendonça de Barros, Elena Landau, Afonso Celso Pastore, Armínio Fraga, Mailson da Nóbrega, e notáveis palpiteiros que vivem no exterior dando pitácos como Monica de Bolle e Alexandre Scheinkman.
    Sugiro ao ministro que convide a todos para um almoço (bandejão) de confraternização e que tragam sugestivas pautas para em conjunto com o governo convencer o Congresso Nacional a urgentemente LEGISLAR as necessárias e urgentes reformas administrativa, politica e tributaria e não permitir ativismo e ingerência do STF no Legislativo.

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

Os novos senhores do mundo

Os gigantes da tecnologia censuram Trump, fazem o que bem entendem e exercem um poder global desmedido. Isso é justo?

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Macron e a soja

Macron e a soja

Sua última ideia a respeito do assunto é acabar com a “dependência” que a França teria da soja brasileira – in...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês