Há indícios de irregularidades em 99,47% dos contratos da Saúde do RJ

Em 4 jul 2020, 14:15

Há indícios de irregularidades em 99,47% dos contratos da Saúde do RJ

4 jul 2020, 14:15

Controladoria aponta que nas outras secretarias do Estado que também fizeram compras durante a pandemia, esse percentual é de 90,91%

Controladoria Rio de Janeiro

Sede da Controladoria-Geral do Estado do Rio de Janeiro, no centro da capital fluminese | Foto: CGE-RJ

A Controladoria-Geral do Estado do Rio de Janeiro encontrou risco de mau uso do dinheiro público e suspeitas de irregularidade em 99,47% dos contratos e aditivos feitos pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio durante o combate à covid-19.

A conclusão está em levantamento enviado ao Tribunal de Contas do Estado, à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, ao Ministério Público do Rio de Janeiro e ao Tribunal de Justiça.

LEIA MAIS: Controlador-geral do Rio de Janeiro fala a Oeste

Diante do relatório, a Secretaria de Saúde do governo Witzel informou que revisará todos os contratos assinados de forma emergencial durante a pandemia e que punirá “qualquer possível irregularidade”.

O levantamento feito pelos técnicos mostram que a secretaria de Saúde gastou quase R$ 1,5 bilhão em contratações para combater a covid-19.

Existe, ainda, a possibilidade de que todo o montante utilizado pela secretaria de Saúde no combate ao coronavírus no Estado esteja comprometido, uma vez que o 0,53% restante ainda está sob avaliação.

Veja o documento completo obtido por Oeste:

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. com tanta roubalheira para se noticiar, a midia porca fica enchendo o saco do PRESIDENTE! pqp! roubar neste pais e normal!

    Responder
  2. Deve existir uma maneira de responsabilizar os chamados grandes veículos (CNPJs e CPFs) de comunicação pela desinformação criminosa que acompanhamos durante essa pandemia.

    Responder
  3. Vocês tem que liberar o compartilhamento com a Plataforma Parler, pois eu não uso mais o Twitter ou Facebook para compartilhar as notícias que acho interessante!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias