Hidroxicloroquina: Entidade defende autonomia de médicos

Edição da semana

Em Em 20 jul 2020, 07:30

Hidroxicloroquina: Entidade defende autonomia de médicos

20 jul 2020, 07:30

Associação alerta para legado sombrio, caso os profissionais sejam proibidos de prescreverem o remédio: “Isso é um crime contra os pacientes”

hidroxicloroquina

Pacientes com a covid-19 ouvidos por Oeste confirmam que melhoraram depois de usar a hidroxicloroquina
Foto: MARCELO CASAL/AGÊNCIA BRASIL

A Associação Médica Brasileira (AMB) defendeu ontem a autonomia de profissionais da saúde para receitarem, ou não, a hidroxicloroquina a pacientes com covid-19. Em nota, a entidade enxerga motivação política nas críticas ao medicamento. Além disso, menciona o “legado sombrio para a medicina brasileira, caso a autonomia do médico seja restringida, como querem os que pregam a proibição” do remédio. Conforme a AMB, é importante lembrar que o uso off label (não previsto na bula) de medicamentos é consagrado na medicina, desde que haja clara concordância do paciente.

Leia também: “A solução que venceu a ideologia”, reportagem publicada na edição n° 3 de Oeste

Ainda segundo a entidade, é bastante provável que se chegue ao final da pandemia sem evidências consistentes sobre tratamentos. Mas muitos sairão apequenados, principalmente médicos e entidades médicas, que escolherem manipular a ciência para usá-la como arma no campo político-partidário. “Não podemos permitir que ideologias e vaidades, alimentadas por holofotes, nos façam regredir em práticas já tão respeitadas. Não se pode clamar por ciência e adotar posicionamentos embasados em ideologia ou partidarismo. Isso é um crime contra a medicina e contra os pacientes”, conclui.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Proibir o uso de qualquer medicamento por questões ideológicas e partidária é um crime contra a humanidade. Todos nós sabemos que nos hospitais particulares os pacientes do Covid tiveram acesso a todos os medicamentos disponíveis. Proibir seu uso só atingirá as camadas mais pobres e isto sim, é um genocídio. O povo está mais esclarecido e não vai perdoar esses fascínora. Fica a dica!!!

    Responder
    • Não deixar usar é crime, a Associação Médica está certa. Usa cloroquina quem quiser.

      Responder
  2. Já avisaram aos blogueiros da Folha e do Globo?

    Responder
  3. Eu tenho 100% de certeza que funciona, se proibirem será um genocídio.

    Responder
  4. Nota 1000 para a AMB. Belo posicionamento.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês