Hong Kong detalha nova lei de segurança imposta pela China

Edição da semana

Em 6 jul 2020, 14:20

Hong Kong detalha nova lei de segurança imposta pela China

6 jul 2020, 14:20

Críticos dizem que a lei tem como objetivo esmagar a dissidência e uma campanha de longa data por maior democracia no território

Xi Jinping

Presidente da China, Xi Jinping | Foto: Wikimedia Commons

O governo de Hong Kong divulgou nesta segunda-feira, 6, mais detalhes da nova lei de segurança nacional imposta por Pequim para a ex-colônia britânica.

Segundo informações divulgadas pela agência Reuters, agora, as forças de segurança têm autoridade para entrar e fazer buscas em propriedades e também impedir que as pessoas deixem a cidade.

O Reino Unido devolveu Hong Kong à China em 1º de julho de 1997, sob a fórmula de “um país, dois sistemas”, garantindo ampla autonomia e liberdades não usufruídas no continente, incluindo um judiciário independente.

Mas, sob a nova legislação da China, os crimes de secessão e sedição serão punidos com prisão perpétua, alimentando preocupações de uma era muito mais autoritária.

No ano passado, o território viveu uma onda de protestos anti-China.

As autoridades de Pequim e Hong Kong insistem que a lei visará apenas uma minoria do que eles chamam de “causadores de problemas”.

No entanto, diplomatas, grupos empresariais e ativistas de direitos humanos disseram que este é o mais recente exemplo do aperto cada vez maior de Pequim na cidade.

Alguns pontos da nova lei

  • As autoridades terão o poder de entrar em locais para procurar por “evidências”
  • Pessoas sob investigação podem ser impedidas de deixar Hong Kong
  • Confisco dos recursos relacionados a qualquer ofensa que ponha em risco a segurança nacional
  • Organizações e agentes políticos estrangeiros e de Taiwan devem fornecer informações sobre atividades relacionadas a Hong Kong

Reino Unido

Nesta segunda-eira, 6, em Londres, o embaixador chinês acusou o Reino Unido de “grave interferência nos assuntos internos da China”.

O governo de Boris Johnson tem demonstrado preocupação com a polêmica lei de segurança nacional.

A Inglaterra descreveu a lei de segurança como uma violação “clara e séria” da Declaração Conjunta de 1984, segundo a qual devolveu sua colônia à China 13 anos depois.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. A China quer dominar o mundo e vem se infiltrando nos países através da mão de obra barata escravizando pessoas e na produção de tecnologia a preços abaixo do valor de mercado, estão comprando empresas falidas no Brasil por causa de um vírus produzido por uma tecnologia mais avançada que eles dominam.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês