Inadimplência cai à mínima histórica no Brasil - Revista Oeste

Edição da semana

Em 28 set 2020, 11:27

Inadimplência cai à mínima histórica no Brasil

28 set 2020, 11:27

Recomposição de renda trazida pelo auxílio emergencial ajudou brasileiros a quitar dívidas e manter contas em dia

inadimplência, crédito, recorde, auxílio emergencial, coronavoucher, renda cidadã, governo federal, paulo guedes, congresso

Auxílio emergencial ajudou a inadimplência a ser a menor de todos os tempos
Foto: Guilherme Santos/Sul21

O total de crédito no Brasil cresceu 1,9% em agosto na comparação com julho, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira, 28.

Já a inadimplência renovou sua mínima histórica no mesmo período. Em termos de recursos livres, quando as instituições financeiras definem as taxas de juros, a inadimplência no oitavo mês do ano ficou em 3,3%, ante 3,5% no mês anterior. São os menores dados desde que o indicador começou a ser medido, em 2011.

Isso ocorre devido à forte recomposição de renda trazida pelo auxílio emergencial — popularmente conhecido como “coronavoucher” —,  que desde abril até agosto pagou R$ 600 a desempregados, pequenos empreendedores e beneficiários do Bolsa Família, os quais, agora, passarão a receber R$ 300 até dezembro.

Com o cadastro realizado pelo governo para esses pagamentos, foi possível descobrir mais pessoas que não eram atingidas por programas sociais e precisavam de ajuda, a quem o ministro da Economia, Paulo Guedes, chamou de “invisíveis”.

Agora, o Congresso estuda, junto ao Executivo, uma maneira de viabilizar o Renda Cidadã. Com isso, manteria os pagamentos a quem recebe o Bolsa Família e a pelo menos mais 6 milhões de pessoas, além de incentivar o emprego com carteira assinada.

Com relação ao crédito, houve expansão de 7,4% até agosto e de 12,1% em 12 meses.

Para 2020, o BC revisou para cima sua projeção de crescimento do crédito, de 7,6% antes, para 11,5%, principalmente pela demanda acentuada de crédito das empresas em meio à pandemia.

Em agosto, o crédito para pessoas jurídicas subiu 2,4% frente a julho, e o crédito para famílias cresceu 1,5% na mesma base de comparação. Em 12 meses, esses crescimentos foram de 16,7% e 8,8%, respectivamente.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Sei não….tenho um monte de ‘amigas’ me devendo dinheiro.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês