-Publicidade-

CEO do Facebook fez ‘lobby’ contra chinesas da tecnologia

Mark Zuckeberg teria feito alerta ao presidente Donald Trump ainda em 2019 sobre o crescimento do TikTok nos Estados Unidos.
Zuckerberg fez lobby contra o TikTok já em 2019 | Foto: Anthony Quintano/Wikimedia Commons
Zuckerberg fez lobby contra o TikTok já em 2019 | Foto: Anthony Quintano/Wikimedia Commons | mark zuckerberg, tiktok, facebook, donald trump, estados unidos, china, wechat, instagram

Mark Zuckerberg teria feito alerta ao presidente Donald Trump ainda em 2019 sobre o crescimento do TikTok nos Estados Unidos

mark zuckerberg, tiktok, facebook, donald trump, estados unidos, china, wechat, instagram
Zuckerberg fez lobby contra o TikTok já em 2019 | Foto: Anthony Quintano/Wikimedia Commons

Em um jantar na Casa Branca em outubro de 2019, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, teria alertado o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre o crescimento das empresas de tecnologia chinesas no país e o risco que isso poderia trazer.

Para Zuckerberg, controlar o avanço dessas companhias deveria ser prioridade do governo norte-americano, por elas representarem um risco para os valores e para o domínio tecnológico do país.

O CEO do Facebook também teria advertido que o TikTok não tem o mesmo compromisso com a liberdade de expressão que a rede social que ele dirige. Essa constatação fez com quem os senadores Tom Cotton e Chuck Schumer pedissem, em outubro, uma investigação contra a ByteDance, dona da plataforma de vídeos chinesa, logo depois de uma reunião com Zuckerberg, em setembro.

Durante a pandemia, o TikTok passou por uma fase de acelerado crescimento e começou a incomodar o Instagram, uma das plataformas ligadas ao Facebook.

Tanto o aplicativo de vídeo quanto o WeChat foram alvo de um decreto do presidente Trump que proíbe empresas ou qualquer cidadão dos Estados Unidos de fazer negócios com as duas multinacionais chinesas. De acordo com o presidente norte-americano, ambas são um risco à segurança nacional por coletar informações pessoais dos cidadãos. Com isso, deu às duas companhias um prazo de 90 dias para que sejam vendidas a proprietários norte-americanos ou saiam do país.

As duas disseram que vão recorrer da decisão.

Com informações do The Wall Street Journal

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. Segundo a reportagem “Para Zuckerberg, controlar o avanço dessas companhias deveria ser prioridade do governo americano, por elas representarem um risco para os valores americanos e para o domínio tecnológico do país”. Agora sabemos que Zuckerberg estava apenas preocupado com o próprio faturamento de suas empresas porque suas redes sociais veem censurando usuários de direita conservadores há tempos.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês