-Publicidade-

Justiça britânica sentencia que motoristas da Uber são funcionários com direitos trabalhistas

O veredicto garante aos trabalhadores férias remuneradas e salário mínimo
A decisão do tribunal representa forte golpe para a Uber em um de seus maiores mercados
A decisão do tribunal representa forte golpe para a Uber em um de seus maiores mercados | Foto: Reprodução/Pexels

A Uber perdeu uma batalha histórica no tribunal de mais alta instância do Reino Unido, que julgou nesta sexta-feira, 19, que seus motoristas são funcionários aptos a direitos como o salário mínimo. A Suprema Corte julgou a favor dos 35 motoristas que primeiro apresentaram o caso em 2016, argumentando que eles não eram autônomos porque a Uber controlava grande parte de seu trabalho, alocando seus clientes e ditando suas tarifas. Um dos juízes da Suprema Corte, George Leggatt, afirmou que o veredicto contra a Uber foi unânime. “Os motoristas estão em posição de subordinação e dependência em relação à Uber, a ponto de terem pouca ou nenhuma habilidade para melhorar sua posição econômica por meio de capacidades profissionais ou empreendedoras”, disse ao apresentar a decisão. O veredicto garante aos motoristas o direito a férias remuneradas, assim como ao salário mínimo britânico. A decisão do tribunal representa um forte golpe para a empresa em um de seus maiores mercados. Embora as implicações práticas imediatas da decisão para os 35 motoristas da Uber ainda estejam por ser determinadas, o julgamento poderia ser aplicado a milhares de outros motoristas que preparam uma ação coletiva contra a companhia.

Leia também: “Uber compra app de bebidas Drizly por US$ 1,1 bilhão”

Com informações do Valor Econômico

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês