-Publicidade-

Mais celulares chineses são lançados no Brasil

Novos modelos da fabricante Realme passam a ser comercializados no país
'Smartphones' da Realme começam a ser vendidos no Brasil
'Smartphones' da Realme começam a ser vendidos no Brasil | Foto: Divulgação

Dois novos modelos de smartphone fabricados pela chinesa Realme começaram a ser comercializados no Brasil na quinta-feira 7. A partir de agora, o consumidor brasileiro pode comprar o Realme 7 ou o Realme 7 Pro.

Leia mais: “Qual o smartphone mais rápido do mundo?”

O primeiro passa ser vendido por R$ 2,5 mil. Para adquirir a versão Pro, é necessário desembolsar R$ 500 a mais. Ou seja, o preço do aparelho celular em questão no Brasil é R$ 3 mil, conforme informa o site TechTudo.

Oferecidos nas cores azul e prata, os smartphones produzidos pela Realme apresentam pontos cada vez mais comuns no mercado, como investimento em qualidade de imagem da tela e de foto (inclusive a de selfie) e memória potente. A dupla da empresa chinesa promete se destacar na bateria. A versão Pro avisa que seu carregador consegue ir de 0% a 100% em 34 minutos. A carga completa do Realme ocorre em 65 minutos.

Made in China

Estreante no mercado nacional, a Realme entra para a lista de empresas chinesas com smartphones no Brasil. Há anos o país comercializa equipamentos fabricados por Xiaomi e Huawei, por exemplo.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. Senhores, qual o propósito de uma notícia dessas em uma revista que supostamente faz uma defesa irredutível dos valores ocidentais? Faz sentido aqui uma propaganda para empresas que são uma extensão natural do Partido comunista Chinês e produzem quinquilharias baratas porque copiam tudo que as outras marcas fazem até o último parafuso, sem custo de P&D? Tá, ao menos a mão de obra semiescrava vale para todas, reconheço.

  2. Não vou comprar, estou boicotando produtos chineses na medida do possível. É o mínimo que podemos fazer depois do que a China fez na economia global. Primeiro espalharam um vírus no planeta, depois ficaram ofendidos por dizermos o fato, o vírus é chinês, derrubaram a economia global, faliram milhares de empresas, causaram milhões de desempregos, colocaram uma enorme carga emocional e estresse em todos nós. Precisam ser responsabilizados sim pelo que fizeram, gostem eles ou não. Se tivesse sido o Brasil o mundo todo já estaria nos crucificando. Boicote a China é o mínimo.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês