Interrupção de atividade econômica teve ‘efeito devastador’ em países mais pobres

Edição da semana

Em Em 20 out 2020, 15:00

Interrupção de atividade econômica teve ‘efeito devastador’ em países mais pobres

20 out 2020, 15:00

Conclusão está em relatório da KPMG que analisa o impacto econômico do coronavírus na América do Sul

coronavirus, restrições, impacto econômico, países pobres, relatório, kpmg

O #fiqueemcasa acabou por aprofundar a crise em países mais pobres
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Se para os países desenvolvidos, os lockdowns foram um baque para a economia, nos países pobres e em desenvolvimento, eles tiveram “efeitos devastadores”.

Esta é uma das conclusões presentes no relatório “Uma análise do impacto econômico da covid-19 na América do Sul”, divulgado pela empresa de auditoria financeira KPMG.

De acordo com o documento, “a interrupção da atividade econômica e seu impacto  nas cadeias de valor como resultado das medidas de  distanciamento social que os países estão aplicando para  mitigar ou reduzir a curva de contágio da covid-19 e,  paralelamente, tornar os sistemas de saúde sustentáveis  estão tendo efeitos devastadores no desempenho das economias e gerando perspectivas de crescimento  desanimadoras para o final de 2020, uma situação que afeta  principalmente os países pobres ou em desenvolvimento,  que apresentam uma situação geralmente mais fraca em  comparação com os desenvolvidos, e nos quais a pandemia  exacerba crises pré-existentes (econômicas, financeiras,  sociais e políticas). Embora as perdas associadas à  emergência de saúde, ou seu choque negativo em termos  do impacto no PIB, sejam consideradas muito significativas  para todas as nações do mundo, elas serão mais profundas  e desiguais conforme a crise continuar, uma vez que, como  geralmente ocorre nas guerras, não se sabe quando elas  acabarão ou quão persistentes serão seus efeitos no médio e longo prazo”.

Leia mais sobre o assunto na reportagem  “O erro do lockdown”, publicada na Revista Oeste

Ainda segundo o levantamento, as restrições geram um choque de oferta de produtos e serviços, porque a produção acaba por ser interrompida; e um choque de demanda, porque ninguém pode sair para comprar ou sequer tem condições financeiras para fazê-lo, visto que muitos acabam por perder o emprego.

Como a maioria desses países faz a economia girar em torno de exportações de matérias-primas e os países ricos param de comprá-las para investir em mercados mais seguros, fica mais difícil para essas nações deixarem a recessão causada pela pandemia.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Que bom que alguns países na África não tem estrutura pra produzir essa palhaçada!
    Que bom que essa merdha chegou mais tarde lá, assim eles se prepararam melhor pra essas eventualidades!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês