Itália fecha acordo para possível vacina da Johnson & Johnson

Edição da semana

Em 7 jul 2020, 12:40

Itália fecha acordo para possível vacina da Johnson & Johnson

7 jul 2020, 12:40

O ministro da Saúde da Itália, Roberto Speranza, anunciou que o país fechou um acordo com a Johnson & Johnson para uma possível vacina contra o coronavírus

Vacina Johnson & Johnson Itália

Foto: Liz Masoner/ Pixabay

Uma possível vacina para o coronavírus que está sendo desenvolvida pelo laboratório norte-americano Johnson & Johnson terá o processo final de produção realizado na Itália. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde do país, Roberto Speranza.

O anúncio do ministro italiano foi feito por meio de uma postagem nas redes sociais. Speranza visitou uma fábrica da indústria farmacêutica Catalent, informa a agência de notícias italiana Ansa.

“Se todos os testes de eficácia e segurança no desenvolvimento da vacina para a covid-19 forem aprovados, será aqui que será completado parte do processo de produção da AstraZeneca”, disse Speranza. Ele também informou que a vacina da Johnson & Johnson também será eventualmente concluída no local.

De acordo com o ministro da Saúde da Itália, essas são boas notícias que demonstram como a Itália e suas “excelências científicas e produtivas” colocam o país no centro de um projeto para uma nova vacina.

Projetos de vacina

A planta italiana da Catalent será responsável por parte do processo de produção da possível vacina para o coronavírus da AstraZeneca. Essa vacina, que é uma com o desenvolvimento mais avançada, está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Conforme já divulgado por Oeste, a vacina de Oxford está sendo testada em voluntários de diversos países, inclusive o Brasil. A expectativa é que ela tenha a eficácia comprovada antes do final deste ano.

Em todo o mundo, existem mais de 130 projetos de vacina para o coronavírus, com os maiores laboratórios do mundo estando em uma corrida para essa produção.

O diretor-científico da Johnson & Johnson, Paul Stoffels, afirmou no último mês que a empresa está acelerando o desenvolvimento da vacina após apresentar resultados promissores. De acordo com ele, o que está acontecendo é uma “corrida contra o tempo”.

 

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês