Juiz critica ação de Ivan Valente que buscava impedir Weintraub no Banco Mundial

Em 4 jul 2020, 22:00

Juiz critica ação de Ivan Valente que buscava impedir Weintraub no Banco Mundial

4 jul 2020, 22:00

Magistrado fez duras críticas à ação, dizendo que o objetivo era envolver o Poder Judiciário no universo político partidário

Abraham Weintraub

Ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub | Foto: Gabriel Jabur/MEC

O juiz Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, julgou extinta uma ação que pedia à Justiça que suspendesse a indicação do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub ao cargo de diretor-executivo no Banco Mundial.

Itagiba Catta Preta Neto entendeu que a ação tinha cunho partidário e ideológico.

O despacho foi proferido nesta terça 30 no âmbito de ação popular interposta pelo deputado federal Ivan Valente (PSOL/SP) e Marivaldo de Castro Pereira, questionando a indicação feita pelo presidente Jair Bolsonaro.

“O autor não apontou fato concreto, específico. O que pretende, na verdade, é que, por ordem judicial, seja alterada a política de atuação de órgão do Poder Executivo. Patrulhamento ideológico não é papel do Poder Judiciário”, afirmou Itagiba na decisão.

Segundo o magistrado, divulgação de fatos e opiniões nas redes sociais e na imprensa não são hábeis a ensejar intervenção do Judiciário em atos de governo.

LEIA MAIS: Celso de Mello manda para a 1ª instância inquérito contra Weintraub

A ação apontava suposto desvio de finalidade e que a indicação não atende a interesses públicos, mas pessoais. O pedido citou ainda que ele é investigado em dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal.

O Banco Mundial recebeu o nome em 19 de junho, um dia após o ex-ministro anunciar sua saída da pasta de Educação.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

10 Comentários

  1. Perfeito meritíssimo; patrulhamento ideológico não é o papel do Poder Judiciário.

    Responder
    • Correta a decisão e assertivo o despacho. Ainda resta esperança com o Judiciário.

      Responder
  2. Amigos da Revista Oeste, façam uma conta na rede social parler para poder acompanhar o jornal. Obrigado.

    Responder
    • Já fiz, não aprendi ainda como encontrar a revista oeste e outros

      Responder
    • Foi justamente pelo Parler que decidi fazer a assinatura na Revista Oeste!
      Espero não me decepcionar e ter que cancelar a assinatura.

      Responder
    • Oi, Werick! Estamos providenciando, continue nos acompanhando! Um abraço

      Responder
  3. Ainda há esperança de um dia o judiciário reconquistar sua credibilidade…

    Responder
    • Obrigado pelo comentário, Maria Eliza! Continue nos acompanhando

      Responder
  4. Precisamos também na justiça separar o joio do trigo, e não generalizar.

    Responder
    • Muito bom ler seus comentários, Marcelo! Seguimos juntos.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias