-Publicidade-

Covidão do Rio: Ex-secretário de Saúde deixa a prisão

Edmar Santos estava em unidade prisional de Niterói desde 10 de julho e saiu por decisão do STJ; PGR não confirma delação premiada.
STJ mandou soltar Edmar Santos | Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
STJ mandou soltar Edmar Santos | Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil | edmar santos, soltura, stj, mp-rj, wilson witzel, impeachment, covidão, governo do rio de janeiro

Edmar Santos estava em unidade prisional de Niterói desde 10 de julho e saiu por decisão do STJ; PGR não confirma delação premiada

edmar santos, soltura, stj, mp-rj, wilson witzel, impeachment, covidão, governo do rio de janeiro
STJ mandou soltar Edmar Santos | Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro Edmar Santos deixou a Unidade Prisional da Polícia Militar, em Niterói, na região metropolitana do Rio, na noite de ontem, quinta-feira 6. Santos estava preso desde 10 de julho, suspeito de participar de processos ilegais em contratos emergenciais durante a pandemia.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) não deu detalhes sobre a decisão de soltura porque o processo corre em segredo de Justiça.

O ex-secretário teria firmado acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República, mas a PGR não confirma essa informação.

Edmar Santos foi preso em uma das fases da Operação Mercadores do Caos, do Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ), com o apoio da Polícia Civil.

A operação investiga um esquema de compras superfaturadas de ventiladores pulmonares pela Secretaria de Saúde.

O ex-secretário responde pelos crimes de organização criminosa e peculato.

Em paralelo a essa investigação, o Ministério Público Federal também apura esquemas irregulares na saúde do Rio.

Essas investigações resultaram na Operação Placebo, deflagrada pela Polícia Federal em maio, e que teve o governador Wilson Witzel e sua esposa como alvo de mandados de busca e apreensão.

O governador fluminense agora enfrenta ameaça de impeachment, barrada somente por determinação temporária do Supremo Tribunal Federal (STF).

O MP-RJ não quis comentar a soltura de Edmar Santos.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês