-Publicidade-

Juiz anula provas contra investigados por propinas a Mantega e Palocci

Segundo Marcus Vinicius Reis Bastos, 'provas são ilícitas, não produzindo efeito algum'

Segundo Marcus Vinicius Reis Bastos, ‘provas são ilícitas, não produzindo efeito algum’

Mantega, Palocci
Ex-ministros, Antonio Palocci e Guido Mantega integraram governos petistas | Foto: Reprodução

O juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, anulou as provas colhidas pela força-tarefa da Lava Jato no âmbito da Operação Carbonara Chimica.

Fase 63 da Lava Jato aberta em agosto de 2019, a ação mirou suspeitas de propinas aos ex-ministros Antônio Palocci e Guido Mantega em troca da edição de Medidas Provisórias favoráveis a Odebrecht e ensejou a formalização de uma denúncia contra os petistas e executivos da empreiteira.

Na avaliação do magistrado, como o juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável por processar a investigação, foi declarado incompetente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para cuidar do caso, o material não pode ser compartilhado com outras apurações em curso, como pleiteava o Ministério Público Federal.

“As provas colhidas com supedâneo em decisões judiciais cuja nulidade fora reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal, por isso que proferidas por Juízo incompetente, são ilícitas, não produzindo efeito algum”, diz um trecho do despacho expedido na sexta-feira 8.

Leia também: “Empresário delata Serra, Aécio, Renan, Jucá e Palocci”

Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

    1. A justiça é conivente com as quadrilhas por isto tantos mafiosos soltos . É só dividir os ganhos ilícitos com a justiça que jamais serão condenados . Se roubar pouco e não tiver um valor palpável para dividir , com certeza ficará na cadeia, não por ter roubado , mas por não saber roubar . Quem rouba pouco para a justiça merece ser punido.

  1. É por essas e por outras que tudo sempre acaba em pizza, onde o crime do colarinho branco acaba sendo quase sempre impune, quando existe uma sensação de justiça ela dura muito pouco, porque aqui no Brasil a justiça contra esse tipo de crime é ilusória, tem viés político.
    Na política parece até existir oposição, mas no final, nos bastidores, eles se abraçam e tramam de forma ardilosa, manobras incríveis para que a impunidade seja a regra.
    Esses “representantes” dos interesses do povo são responsáveis pelas mortes de milhões de brasileiros, através da violência gerada pelas desigualdades sociais, dos desvios de verbas, do financiamento de ideologias subversivas.
    os três poderes estão contaminados, pela nossa Carta Constitucional eles deveriam ser independentes e harmônicos, contudo, essa harmonia só toca o ritmo da impunidade do colarinho branco, onde o sistema carcerário só recebe os três P’s (preto, puta e pobre) ou seja, os abastados de recursos para recorrerem infinitamente nas instâncias recursais são os prejudicados, o pobre, que desesperado furta um alimento no supermercado para matar a fome do seu filho, fica recluso, aguardando um julgamento, ou um bom defensor público/dativo para poder lhe representar, enquanto ESSES AÍ… que desviam milhões, superfaturam, desviam recursos em plena pandemia, responsáveis por milhares e milhares de mortes ainda que indiretamente, são privilegiados com uma mudança inexplicável de entendimento do STF SOBRE PRISÃO EM SEGUNDA INSTANCIA… ISSO é JUSTIÇA ?? isso é igualdade?? não meu caro, isso aqui é Brasil.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Envie-nos a sua opinião, sugestão ou crítica! Fale conosco
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês