-Publicidade-

Justiça impede Paulínia (SP) de adotar tratamento com hidroxicloroquina

Desembargador negou liminar do Ministério Público que queria que cidade adotasse medidas do Ministério da Saúde para casos leves.
Desembargador impediu que Paulínia (SP) usasse protocolo de tratamento do Ministério da Saúde para covid-19 | Foto: enioprado/Wikimedia Commons
Desembargador impediu que Paulínia (SP) usasse protocolo de tratamento do Ministério da Saúde para covid-19 | Foto: enioprado/Wikimedia Commons | paulínia, hidroxicloroquina, tj-sp, justiça, covid-19, coronavírus, ministério da saúde, tratamento da covid-19

Desembargador negou liminar do Ministério Público que queria que cidade adotasse medidas do Ministério da Saúde para casos leves

paulínia, hidroxicloroquina, tj-sp, justiça, covid-19, coronavírus, ministério da saúde, tratamento da covid-19
Desembargador impediu que Paulínia (SP) usasse protocolo de tratamento do Ministério da Saúde para covid-19 | Foto: enioprado/Wikimedia Commons

O desembargador da 8ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo Antonio Celso Faria impediu que o município de Paulínia, no interior do Estado, adotasse o protocolo do Ministério da Saúde para o combate ao coronavírus.

O Ministério Público havia entrado com liminar na cidade pedindo que os pacientes infectados com coronavírus pudessem ser tratados com medicamentos propostos pelo manual da pasta federal, como a hidroxicloroquina, mesmo em casos com sintomas leves da doença.

Faria, porém, rejeitou o pedido, alegando que “pode trazer sérias modificações na gestão do governo local no enfrentamento da epidemia da covid-19”.

Para o desembargador, caso o número de infectados no local cresça devido a um protocolo malfeito para combater a pandemia, a prefeitura não poderá ser culpada, já que “é de conhecimento notório o avanço da doença nas cidades do interior do Estado.”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

13 comentários

  1. Está notório que muitas cidades que adotaram a Hidroxicloroquina no início, o número de entubados baixou consideravelmente. Ele é médico por acaso??? Não é para seguir a ciência???

  2. Esse assusto não é assunto p desembargador, isso é assunto de médico. O que que esse cara entende para dar esse tipo de palpite? É só dar o remédio escondido desse boçal .A que ponto nos chegamos !

    1. Ou seja, além de impedir o tratamento precoce ainda livra a cara donorrfeuto. Isso tá muito estranho. É ainda querem culpar o homem que mais vem.ltandonpara salvar vidas, o presi ente. Judiciário não tem que se meter em.orotovolo de saúde pois isso cabe aos.medicos e pacientes, assim como médico não pode sentenciar reus. Onde essa bozarrice ideologica vai parar?

  3. O Desembargador deve ter sido sensível aos argumentos do Desgovernador Dória. Portanto, quando a História julgar quem deveria defender a sociedade e não o fez, sabe Deus por quais convencimentos, há de ser igualado ao Dória, artífice de uma matança sem fim, por mesquinharia, politização calhorda de uma Pandemia e absoluta falta de compaixão.

  4. A população de Paulínia, pelo menos a que depende do SUS, está perdida. O prefeito (PSDB) está mais preocupado em agradar o governador (PSDB) do que cuidar da população, possibilitando um tratamento médico precoce. Quem será responsabilizado pela piora do quadro clínico e até a morte de pacientes por falta da prescrição do remédio? Se há uma chance de impedir a evolução da doença; pessoas fazem uso contínuo do remédio em razão de outras enfermidades; os efeitos colaterais são conhecidos, médicos costumam prescrever tratamentos experimentais ou off label, porque não usá-lo ???? Os tribunais ainda terão que julgar muitas ações indenizatórias de familiares das vítimas.

  5. Isso tem nome, é tirania.
    JDoriaJr que se prepare porque será condenado por GENOCÍDIO.
    Essa batalha injusta pra população, vem trazendo prejuízos aos mais pobres que não tem dinheiro pra pagar um médico de família.
    Por outro lado, o STF está metido até o pescoço nessas mortes.
    Vão pagar essa conta também.
    Deus sempre é justo.

  6. Infelizmente os do Direito, que de nada entendem, se arvoram no direito de determinar o que a população fará, passando por cima dos profissionais de outras áreas.
    Sugiro que se extingam os cursos de medicina, engenharia e tecnologia, e tratemos de Peticionar aos Juízes, Desembargadores e Ministros as soluções para as quais se encontram tão bem a tomar; principalmente as que envolvem matemática, química, física, biologia e ciências naturais, matérias que adoram desde o início de suas formações em Baracheis de Direito!

  7. Mais um fascista a esconder-se sob a toga para condenar pessoas à morte, por servidão patética, humilhante, desprovida de compaixão, ao fabricante de óbitos de nome de Dória.

  8. As pessoas não devem ir p o hospital então… simples assim!! Peguem o protocolo, e façam o tratamento logo no começo do sintoma!!! Tem sempre um ser humano disposto a ajudar, o tirano do governador e o desembargador c certeza vão tomar a cloroquina se precisarem! Isso é um absurdo!

  9. Trata-se de uma irresponsabilidade pública, impedir que um profissional médico atue com as armas que acredita para curar uma doença que pode levar à morte e impedir que um cidadão escolha o seu tratamento juntamente com o seu médico é um crime contra os direitos humanos e ambos governador e o juiz deveriam pagar por isto em fórum internacional já que a lei em âmbito nacional não está funcionando .

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês