-Publicidade-

Aras prorroga Operação Postalis até o fim de 2020

Outros grupos de trabalho contra a corrupção, porém, como a Operação Lava Jato, continuam com destino indefinido.
Aras prorrogou a Postalis, mas deixou outras operações sem futuro definido | Foto: Pedro França/Agência Senado
Aras prorrogou a Postalis, mas deixou outras operações sem futuro definido | Foto: Pedro França/Agência Senado | augusto aras, pgr, operações contra a corrupção, lava jato, postalis, zelotes, investigação

Outros grupos de trabalho contra a corrupção, porém, como a Operação Lava Jato, continuam com destino indefinido

augusto aras, pgr, operações contra a corrupção, lava jato, postalis, zelotes, investigação
Aras prorrogou a Postalis, mas deixou outras operações sem futuro definido | Foto: Pedro França/Agência Senado

O procurador-geral da República, Augusto Aras, prorrogou o prazo de funcionamento da força-tarefa da Operação Postalis até o final do ano.

Em portaria assinada na última sexta-feira, 7, Aras determinou que o grupo de trabalho continuará até 31 de dezembro com seis procuradores.

Formada em agosto de 2019 para apurar crimes contra o sistema financeiro e de lavagem de capitais no Postalis, fundo de pensão dos Correios, a força-tarefa apresentou duas denúncias de fraudes milionárias à Justiça. Ela seria extinta em setembro caso a portaria que a instaurou não fosse renovada.

Além da Postalis, há outros grupos de trabalho dedicados ao combate à corrupção, como a Operação Lava Jato, Greenfield, Zelotes e outros, que estão na mesma situação – ou seja, precisam ser prorrogados nas próximas semanas ou perderão a validade e serão interrompidos.

No final de julho, a 5ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal enviou ofício a Aras pedindo a renovação das forças-tarefas por um prazo mínimo de seis meses.

Atualmente, o Conselho Superior do Ministério Público Federal discute a possibilidade de reunir todas as forças-tarefas sob comando único sediado em Brasília. O projeto criaria a Unidade Nacional de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Unac), subordinada ao PGR, para atuar no combate à corrupção, a atos de improbidade administrativa e ao crime organizado.

Investigadores resistem à proposta e veem risco de perda de autonomia com a unificação.

Para Aras, é preciso combater a divisão de grupos e o ‘aparelhamento’ da instituição. Ele tem defendido a busca por um Ministério Público ‘uno e indivisível’. Recentemente, abriu consulta para selecionar procuradores que tenham interesse em colaborar com as forças-tarefa em uma iniciativa que justificou como ‘republicana’.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês