-Publicidade-

O que pensam os colunistas de ‘Oeste’ sobre a decisão do Supremo contra a Lava Jato?

Augusto Nunes, Guilherme Fiuza e Ana Paula Henkel analisam julgamento que liberou material da Operação Spoofing para a defesa de Lula
O ministro Gilmar Mendes: criticado por colunistas da Revista Oeste
O ministro Gilmar Mendes: criticado por colunistas da Revista Oeste | Foto: Nelson Jr./STF

A Segunda Turma do Supremo Tribunal decidiu na tarde desta terça-feira, 9, liberar aos advogados do ex-presidente Lula à íntegra do arquivo da Operação Spoofing, que conta com supostas mensagens trocadas pelo então juiz federal Sergio Moro e procuradores da República. Tido como vitória do petista e derrota para a Lava Jato, o desfecho do julgamento foi analisado por três colunistas da Revista Oeste: Augusto Nunes, Guilherme Fiuza e Ana Paula Henkel. O trio falou sobre o tema durante edição de Os Pingos nos Is, programa da rádio Jovem Pan.

  • Augusto Nunes

“O maior escândalo da história é a existência de um Supremo Tribunal Federal que age como um partido político. Nós aqui [do programa da Jovem Pan] identificamos corretamente o procurador-geral da República [Augusto Aras] com um dos coveiros da Lava Jato. Agora, o grande coveiro é esse aí: é o Gilmar Mendes e a sua turma.”

  • Guilherme Fiuza

“Essa transmissão do STF é um novelão. É um ministro do Supremo Tribunal Federal, togado, lendo mensagens de WhatsApp para fazer o seu ato histriônico. Já que o ministro Gilmar Mendes está gostando disso, de pegar mensagem roubada do celular de autoridades que fizeram o maior banho de justiça no país e ficar lendo em público, a gente pode perguntar se eles [membros do STF] topam abrir o WhatsApp deles (…). Vimos ali, inclusive pelo comentário da ministra Cármen Lúcia, que está evidentemente assinalado que as mensagens foram roubadas. Isso trata-se de uma muamba.”

  • Ana Paula Henkel

“Acaba respingando aqui fora [do tribunal], aos olhares de quem está olhando para o Brasil como um porto bom para investimentos, um porto bom para aportes financeiros e econômicos. E aí a gente vê essa vontade da Corte máxima de tirar a pecha e a faixa de condenado de um ex-presidiário (…). Não houve perícia nenhuma nessas mensagens. Ninguém sabe se houve edição. Não tem como periciar essas mensagens da forma como elas foram colocadas para a imprensa. O que também choca é um ministro da Suprema Corte chamar uma operação e uma força-tarefa que deram um banho de justiça ao Brasil de ‘sistema soviético’.”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês