Ministério Público quer recuperar R$ 230 milhões de Dario Messer

Edição da semana

Em Em 23 out 2020, 18:41

Lava Jato: Ministério Público quer recuperar R$ 230 milhões de doleiro

23 out 2020, 18:41

Dinheiro e bens estão ligados a Dario Messer, afirmam procuradores

dario messer - doleiro - devolução de milhões - mpf - lava jato

O doleiro Dario Messer | Foto: Reprodução/Facebook

O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF-RJ) quer ver o quanto antes nos cofres públicos dinheiro obtido a partir de operações financeiras ilegais. Dessa forma, o órgão informou na manhã de hoje que pediu à Justiça a transferência de mais de R$ 230 milhões em bens ligados a Dario Messer, conhecido como o “doleiro dos doleiros” e que já tinha prometido a devolução R$ 1 bilhão às autoridades brasileiras.

Leia mais: “Lava Jato denuncia ex-diretores da Dersa em São Paulo”

Os responsáveis pelo MPF-RJ afirmam que a quantia na casa da centena de milhão foi levantada pela força-tarefa fluminense da Operação Lava Jato. De acordo com as informações oficiais divulgadas por ora, o total em bens é composto por dinheiro em espécie e depósitos bancários de cerca de R$ 137,5 milhões. Os outros R$ 92,8 milhões são frutos de apartamentos, casas e terrenos em São Paulo e no Rio de Janeiro.

A força-tarefa da Lava Jato afirma que entre os itens levantados estão em “bairros valorizados”. São os casos, por exemplo, de uma cobertura & duas salas comerciais no Leblon, uma mansão na Lagoa, duas salas comerciais sete apartamentos na Barra da Tijuca e outros dois apartamentos no Itaim Bibi. Além dos imóveis, as autoridades garantem que ainda há obras de arte para entrarem na conta, assim como bens em países como Paraguai e Estados Unidos.

“As instituições estão trabalhando de forma eficiente e rápida na prevenção e na repressão a crimes”

“A restituição de todo esse patrimônio aos cofres públicos demonstra que as instituições estão trabalhando de forma eficiente e rápida na prevenção e na repressão a crimes, em especial de lavagem de dinheiro”, afirmam os procuradores da Lava Jato no Rio de Janeiro sobre os bens ligados a Messer, parentes e doleiros ligados a ele. “A perda do produto dos crimes por parte de quem os praticou também revela cada vez mais que o crime não compensa”, prosseguem os integrantes do MPF-RJ.

Delator da Globo

Condenado em agosto a 13 anos de prisão, Dario Messer recorre em prisão domiciliar. Em delação premiada, ele afirmou que o esquema operado por ele tinha executivos do Grupo Globo como clientes. De acordo com o doleiro, dois integrantes da família Marinho seriam os destinatários de repasses mensais de lotes de dinheiro. Em nota, os irmãos João Roberto e Roberto Irineu Marinho negaram as acusações, conforme noticiou Oeste.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês