Aborto 'é assunto para o Congresso', diz Damares - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 27 ago 2020, 20:52

Lei de aborto ‘é assunto para o Congresso’, diz Damares

27 ago 2020, 20:52

Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos afirma que governo vai proteger garota de 10 anos estuprada no Espírito Santo

damares alves - aborto - governo federal

A ministra Damares Alves: apoio irrestrito à garota de 10 anos que enfrentou procedimento de aborto no Espírito Santo | Foto: VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

O assunto relacionado à menina de 10 anos que passou por procedimento de aborto, pois engravidou do tio de quem sofria abusos sexuais, ganhou na noite desta quinta-feira, 27, a atenção de uma integrante do primeiro escalão do governo federal. Presente na live semanal realizada pelo presidente Jair Bolsonaro, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, falou de leis e do interesse em amparar a menina estuprada.

Leia mais: “Damares é pop”

Na parte legal, a ministra rechaçou qualquer possibilidade de o Poder Executivo movimentar-se para alterar as regras referentes a aborto no país — que é permitido em casos de abuso sexual, por exemplo. Nesse sentido, ela enfatizou que se alguma mudança ocorrer será a partir de projetos elaborados por deputados federais ou senadores. “O governo Bolsonaro não vai apresentar nenhuma proposta para mudar a atual legislação de aborto. Isso é assunto para o Congresso Nacional, que se decida por lá.”

“A gente vai proteger essa menina em tudo o que ela precisar”

Apoio à vítima

De acordo com Damares, a ação do governo federal será proporcionar apoio à jovem. Apoio que, conforme anunciado pela ministra, não será por tempo determinado e que vai avaliar até o ambiente que será melhor para ela seguir a vida. “O que nós vamos fazer é, especialmente nesse caso, continuar acompanhando. E a gente vai proteger essa menina em tudo o que ela precisar. Inclusive, saber se ela vai ficar com a família ou em algum outro lugar. Vamos dar o acompanhamento a essa menina até o final das investigações.”

Outros assuntos

Como de costume, a live presidencial da vez abordou mais de um tema. Rapidamente, Bolsonaro destacou que novamente marcou presença no Nordeste (esteve na semana passada em Ipanguaçu, cidade do interior potiguar). Afirmou que o auxílio emergencial, que seguirá até o fim do ano, ficará entre R$ 200 e R$ 600. E mais uma vez acusou a esquerda de tentar politizar o tratamento contra a covid-19, pois relatou que alguns Estados não pediram para o governo enviar cloroquina — medicamento usado pelo próprio presidente na luta contra o vírus chinês.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês