Leopoldo López, opositor ao regime de Maduro deixa a Venezuela

Edição da semana

Em Em 25 out 2020, 14:40

Opositor ao regime de Maduro deixa a Venezuela

25 out 2020, 14:40

Leopoldo López estava desde abril na Embaixada da Espanha em Caracas

leopoldo lópez - venzuela - espanha

Leopoldo López deixa a Venezuela | Foto: reprodução/Twitter

Um dos opositores de Nicolás Maduro não está mais na Venezuela. Depois de permanecer por mais de um ano na Embaixada da Espanha em Caracas, e com status de refugiado, Leopoldo López deixou o país neste fim de semana, informa a agência de notícias AFP.

Leia mais: “Fiuza: ONU levou 10 anos para descobrir que a Venezuela é uma ditadura”

Pai do opositor de Maduro, Leopoldo Lopez Gil confirmou a ação. A agências internacionais, ele anunciou que o seu filho “deixou a Embaixada [espanhola] por vontade própria e saiu secretamente da Venezuela”. Gil e outros familiares de López, como a esposa Lilian Tintori, vivem em Madri. Além disso, Gil cumpre mandato como eurodeputado. A expectativa é que López se junte à família na Espanha.

A movimentação de López encerra a luta que ele travou diretamente da Venezuela contra o regime bolivariano. No papel de opositor, ele chegou a ficar cerca de três anos preso. Detenção que ocorreu em 2014, após participar de protestos contra o governo. Só deixou a cadeia em 2017, quando foi posto em prisão domiciliar.

“Novo terreno de luta”

Em seu perfil no Twitter, Leopoldo López afirmou que seguirá seu trabalho contra Maduro “a partir deste novo terreno de luta”. Reforçou o apoio a Juan Guaidó, presidente nacional da Assembleia Nacional da Venezuela e que chegou a ser reconhecido pelo Brasil e outros países como o mandatário de facto do país sul-americano. Por fim, afirmou que seguirá com o objetivo de levar “liberdade” ao povo local.

Como sempre, desde as ruas com o povo, ou em uma prisão militar, de um tribunal injusto ou perseguidos em uma Embaixada, todo nosso tempo e energia serão para ser úteis ao povo venezuelano na conquista de sua liberdade.

A partir deste novo terreno de luta, continuaremos a cumprir infalivelmente as responsabilidades atribuídas como comissários do Centro de Governo do Governo Provisório da Venezuela.

Sob a liderança do Presidente Juan Guaidó e em coordenação com a Assembleia Nacional, a unidade democrática e os aliados internacionais de nossa luta, temos certeza de que a Venezuela será livre e democrática

Venezuelanos, esta decisão não foi fácil, mas tenham a certeza de que têm este servidor para lutar de qualquer espaço. Não descansaremos e seguiremos trabalhando dia e noite para conquistar a liberdade que todos os venezuelanos merecem.

Nos próximos dias ampliaremos detalhadamente as ações que nos propomos a realizar em prol da liberdade de nosso povo.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês