Líder do MBL acusado de corrupção se diz perseguido pelo MP - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 out 2020, 21:05

Líder do MBL acusado de corrupção se diz perseguido pelo MP

26 out 2020, 21:05

Renan dos Santos é acusado de participar de esquema para desviar dinheiro do pagador de impostos para financiar seu movimento

Renan dos Santos, líder do Movimento Brasil Livre | Foto: Reprodução/Redes Sociais

O Ministério Público de São Paulo denunciou nesta segunda-feira, 26, um dos líderes do Movimento Brasil Livre (MBL), Renan dos Santos, por corrupção. Procurado por Oeste, Santos emitiu nota em que acusa o promotor de querer manchar sua reputação e afetar seus amigos neste período eleitoral. O denunciado negou que tenha relações com outras partes investigadas e afirmou que vive “as consequências políticas do Estado policialesco e do espetáculo de denúncias que inconscientemente” ele mesmo ajudou a fomentar.

Segundo o site O Antagonista, Santos é acusado de participar de um esquema de corrupção para desviar dinheiro dos cofres públicos do Estado de São Paulo para financiar seu grupo político. O denunciado teria feito lobby para que Alessander Monaco Ferreira fosse contratado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Em troca, Monaco Ferreira fez doações ao MBL, por meio do YouTube.

Segundo a denúncia, Monaco Ferreira teria trabalhado para fraudar licitações e conseguir contratos — um deles para a contratação de seu escritório de consultoria pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) durante sua permanência na Imprensa Oficial.

Íntegra da nota de Renan dos Santos

Não estou nem um pouco surpreso com essa denúncia descabida, em período eleitoral, que tem como objetivo único a tentativa de manchar minha reputação e, por extensão, afetar meus amigos do MBL. Soube que nela também foram denunciadas pessoas da Fipe e Imesp. Não tenho a menor ideia de quem sejam essas pessoas, nunca as vi na vida, e fico chocado que uma denúncia seja oferecida contra mim simplesmente por que sou “famoso” ou “influente”. Coisa que nem sou, pra falar a verdade.

A denúncia é absurda e qualquer um que leia o documento percebe isso com muita facilidade.

Por favor, leiam a denúncia!

Novamente, é levantada a tese esdrúxula de “recebimento de dinheiro por superchat no YouTube”, uma inovação exótica criada pra nos atacar.

E detalhe: a denúncia foi apresentada sem sequer a análise das contas que abrimos ainda em julho para o promotor. Sem sequer me ouvir, apesar de eu ter feito pedido expresso, por escrito, me colocando à disposição para prestar depoimento.

Não tenho qualquer relação com a vida profissional do Sr. Alessander Monaco, que era apenas um dentre milhares de outros fãs e doadores do MBL. E os valores que ele doava publicamente no superchat do YouTube — AO VIVO, COM SEU NOME! — aberto para todo o Brasil, não chegam sequer a R$ 30 mil reais em um ano! Se contarmos o abatimento de 30% do Google, não dá sequer R$ 2 mil mensais. Que tipo de “gênio” faria um “esquema” desses?

E mais: as “provas” apresentadas são “notas” encontradas com um acusado em que constam os nomes de Daniel José, Vinicius Poit, Kim Kataguiri e Luciano Huck. Que “esquema” seria esse? Nomeação de um cargo comissionado num governo que somos NOTORIAMENTE de oposição (Dória) envolvendo o Caldeirão do Huck?

Peço a todos: leiam a denúncia!

É uma peça política, que, na verdade, deixa claro o tom persecutório e a falta de base jurídica e fática das acusações.

Fica aqui, por fim, minha reflexão: vivo, hoje, as consequências políticas do Estado policialesco e do espetáculo de denúncias que inconscientemente ajudei a fomentar. Não é essa a justiça que imaginava defender quando saí às ruas pra defender o próprio MP em 2013. Ironias de um país maluco.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Vamos ver no que vai dar isso. O MBL prece ter gostado do poder e esquecido do que os fortaleceu há uns anos atrás.

    Responder
  2. Ué?? Perseguido pelo MINISTÉRIO PÚBLICO? Não era perseguido pela “milícia Bolsonaro”?
    Se Bolsonaro mandasse no MP de S. Paulo, com certeza, Doria já estaria preso por seus crimes de corrupção e tráfico de influência no JUDICIÁRIO.

    Responder
  3. E agora Renan, que vc e seu grupo são “perseguidos”….(com evidência séria e concreta de corrupção), a lei não vale?…bateu palmas pro Alexandre de Moraes e seu inquérito inconstitucional e ilagal…apoiou a perseguição e prisão dos jornalistas…canalha.

    Responder
  4. Essa mulekada mimada não tem estrutura moral nem ética para política. Foram criados com o tempero e a cartilha da era petista, onde a corrupção era vista como algo comum, e viram uma oportunidade de ganhar dinheiro e fama rapidamente. A máscara de todos esse babacas vai cair.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês