Lula: "A polícia tem o direito de matar. E até eu tenho o direito de matar" - Revista Oeste

Em 30 jul 2020, 18:01

Lula: “A polícia tem o direito de matar. E até eu tenho o direito de matar”

30 jul 2020, 18:01

Assim era o ex-presidente na campanha para o governo de SP, em 1982, anos antes de vestir a fantasia de “Lulinha paz e amor”

“Se as pessoas estiverem armadas e forem atacar a polícia, eu acho que, em legítima defesa, a polícia tem o direito de matar, obviamente. E até eu tenho o direito de matar”, afirmou Luis Inácio Lula da Silva, em 1982, durante um debate eleitoral da Rede Bandeirantes entre os candidatos ao governo de São Paulo.

“Nós temos país onde tem a pena de morte e efetivamente tem morrido menas (sic) gente do que aqui no Brasil, que não tem a pena de morte”, disse em outro trecho do vídeo. “Se você pergunta para as pessoas que foram vítimas, e se eu fosse vítima eu dizia para você não precisava nem a polícia matar, eu mesmo matava”.

Assim era Lula antes de vestir a fantasia de “Lulinha paz e amor”, que lhe garantiu a vitória na eleição presidencial de 2003. Assim é Lula em estado bruto.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. O presidente “menas”… Não precisa de adjetivos.

    Responder
  2. O “sapo de barba”, como dizia o velho comuna Brizola, merece apenas a latrina da história. Um dos piores homens que este triste País já teve na vida pública.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias