Maduro ordena a expulsão da embaixadora da União Europeia

Em 30 jun 2020, 16:20

Maduro ordena a expulsão da embaixadora da União Europeia

30 jun 2020, 16:20

O ditador Nicolás Maduro afirmou que a expulsão da embaixadora da União Europeia é represália após o bloco europeu impor sanções a funcionários do regime

expulsão da embaixadora da União Europeia

Nicolás Maduro | Foto: Divulgação/ Kremlin

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou a expulsão da embaixadora da União Europeia (UE) no país, Isabel Brilhante Pedrosa, que é portuguesa. Isso aconteceu horas depois do bloco europeu impor sanções a membros do regime, inclusive Maduro.

“Quem são eles para sancionar, para se tentarem impor com a ameaça? Quem são? Basta! É por isso que decidi dar à embaixadora da UE em Caracas 72 horas para deixar o nosso país e exigir respeito da UE”, afirmou Nicolás Maduro em um pronunciamento na televisão.

“Basta do colonialismo europeu contra a Venezuela, da perseguição contra a Venezuela”, concluiu o ditador.

Veja também: “Pompeo pede um governo de transição na Venezuela”

Os funcionários do regime que sofreram sanções foram acusados pela UE de “atuar contra o funcionamento democrático da Assembleia Nacional e de violar a imunidade parlamentar”, inclusive do líder opositor Juan Guaidó.

Os que sofreram as sanções estão proibidos de entrar em território europeus e tiveram ativos que estão na Europa congelados, informa o jornal português Expresso.

Isabel Brilhante Pedrosa

A embaixadora da União Europeia na Venezuela assumiu o cargo em fevereiro de 2018. A cerimônia em que ela entregou as credenciais para Maduro, conforme o protocolo, foi transmitida pela televisão estatal.

Mais: “Mais de 11 mil execuções extrajudiciais na Venezuela desde 2012”

Isabel foi cônsul-geral de Portugal em Caracas entre 2008 e 2011. Na época, a Venezuela, então comandada por Hugo Chávez, teve ótimas relações com o então primeiro-ministro português, o socialista José Sócrates. Ele chegou a ser preso acusado de corrupção, fraude fiscal e lavagem de dinheiro.

Atualmente, Portugal, assim como grande parte dos países europeus, não reconhecem o ditador Nicolás Maduro como o líder legítimo da Venezuela. Como mais de 60 países no mundo, incluindo o Brasil, o governo português desse modo reconhece o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como o presidente legítimo da Venezuela.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Será que o STF de lá vai permitir. O daqui, não permitiu a expulsão do representante venezuelano (monocraticamente).

    Responder
  2. Por que o Brasil não pude fazer o.mesmo com os representantes da ditadura da Venezuela? Está aí maduro agindo de forma dura contra a embaixadora. O STF impediu uma decisão do governo brasileiro nesse sentido. Como ajudar a Venezuela a superar uma ditadura de o supremo impede o governo brasileiro de agir? Passa uma mensagem para o ditador que do Brasil ele não deve temer nada.

    Responder
  3. Enquanto isso, em terra de bananeiras e jabuticabeiras, um tribunal ditatorial protege essa gentalha esquerdista.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias