Maia exclui até colegas de partido no debate do PL das 'fake news' - Revista Oeste

Edição da semana

Em 15 jul 2020, 10:30

Maia exclui até colegas de partido no debate do PL das ‘fake news’

15 jul 2020, 10:30

Presidente da Câmara escolheu a dedo deputados que iniciaram a discussão do PL das fake news na Câmara. Sobraram críticas até dentro da própria base, que não conseguiu acesso a reunião virtual

maia - pl das fake news

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia
Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), selecionou a dedo quem ele quer que tenha um papel central na articulação do Projeto de Lei (PL) 2.630/20. O texto, que ficou popularmente conhecido como o “PL das fake news“, é debatido sem ampla atuação de correligionários e nomes atuantes no tema.

Em reunião na segunda-feira 13, lideranças da Câmara debateram a matéria. O problema, reclamam alguns parlamentares, é que o encontro, além de virtual, foi fechado. Houve relatos a Oeste de que, mesmo em posse do link de acesso, deputados não conseguiram participar da sala virtual.

A decisão de Maia incomodou até mesmo alguns deputados do próprio DEM. O autor do requerimento para a criação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, deputado Alexandre Leite (DEM-SP), é um dos que ficaram de fora da reunião. Autor de projetos de combate às fake news, Luis Miranda (DEM-DF) também não conseguiu acesso.

Rédeas

O obstáculo para o acesso de alguns parlamentares à audiência pegou mal. A leitura feita por alguns na Câmara é que Maia quer tomar as rédeas do debate. A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) destacou que ainda haverá outras nove audiências e todos poderão participar. O argumento, entretanto, não convenceu.

A deputada federal Bia Kicis (PSL-SP) usou o Twitter para criticar. A parlamentar foi presencialmente à Câmara, mas, na ocasião, descobriu que a reunião seria virtual. “A sessão foi só virtual e não pude participar. Já solicitei minha inscrição para debater o tema”, declarou.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Não vamos aceitar Mordaças.

    Responder
  2. ” Cada atentado que se tolere à Liberdade, é um novo alimento que se administra à desordem “. Rui Barbosa

    Responder
  3. É o que nos representa, e saibamos que renovação do congresso é impossível com a atual constituição e as regras eleitorais, onde as definições dos nomes e as verbas são definidas pelos donos dos partidos, é aí que se determina a composição dos nossos representantes. AI 5 com nova constituição ou nada muda!!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês