Maia nega problemas com o governo e sinaliza acordo por Plano Mansueto - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 9 abr 2020, 16:44

Maia nega problemas com o governo e sinaliza acordo por Plano Mansueto

9 abr 2020, 16:44

Presidente da Câmara rebate que impactos do projeto sejam de R$ 180 bilhões e assegura que mantém boa relação com a equipe econômica. Meta é colocar a matéria para voto na segunda-feira, com a possibilidade de ajustes

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) adiou a votação do Projeto de Lei Complementar (PLP) 149/19, o chamado Plano Mansueto. Ciente da mobilização do governo federal para não votar a matéria da forma como ele está, decidiu que o texto vai a voto na próxima segunda-feira, 13.

A Oeste antecipou as articulações mobilizadas pelo governo para conscientizar líderes partidários e tentar construir um acordo por modificações ao texto. Governistas disseram à reportagem que dificilmente a matéria seria votada nesta quinta, 9.

Maia confirmou o adiamento, mas não reconhece o impacto fiscal estimado pela equipe econômica, de R$ 180 bilhões. “Adiamos porque, como o governo vendeu essa tese — e temos convicção de que não é —, paramos, primeiro, para mostrar a vocês que não são R$ 180 bilhões”, declarou.

Os cálculos do substitutivo construído pelo relator da matéria, deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), aponta para um esforço fiscal de aproximadamente R$ 95 bilhões. Maia garante que não tem problemas com a equipe econômica. “Problema zero. Minha relação com eles está tudo perfeito”, afirmou.

Mas frisou que não vai admitir que a Câmara seja instrumento de uma disputa política entre o governo federal e os governadores, em referência ao substitutivo do Projeto de Lei Complementar (PLP) 149/19, o chamado Plano Mansueto.

Debate

O demista admitiu que há espaço para debater a redução do limite de empréstimo aos Estados no Plano Mansueto, desde que o governo aceite como contrapartida elevar o período de compensação na arrecadação. O substitutivo atual possibilita que os estados assumam empréstimos em até 8% da Receita Corrente Líquida. Na prática, isso significa ampliar as dívidas em até R$ 65 bilhões, calcula a Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado.

A proposta sugerida por Maia é reduzir de 8% para até 4%. “A gente reduz bastante a alíquota de 8% para 4%. Estamos abertos ao debate. O que não estamos abertos é criar uma zona cinzenta onde vamos prejudicar vários estados, porque em vários estados o FPE (Fundo de Participação dos Estados) representa quase nada”, ponderou.

Em troca, ele sugere que a solução é, em vez de três ou quatro meses, levar para quatro ou cinco meses o espaço de endividamento para não comprometer o empréstimo. Maia não reconhece, entretanto, os cálculos de impacto fiscal da equipe econômica sobre o substitutivo, de R$ 180 bilhões. “Não podemos misturar teses. O que temos que ter, neste momento, é paciência. Queremos construir ouvindo a todos. O governo, líderes, os governadores e prefeitos”, destacou.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Faz de conta que eu acredito, cara pálida.

    Responder
  2. Se é para acreditar em um número eu acredito no estudo da equipe econômica do Governo, que se mostrou muito mais confiável do que o Congresso até agora.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês