Maia recua em discutir a redução de salário de servidores em aceno ao funcionalismo - Revista Oeste

Edição da semana

Em 31 mar 2020, 18:01

Maia recua em discutir a redução de salário de servidores em aceno ao funcionalismo

31 mar 2020, 18:01

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rejeitou a ideia de reduzir salários de servidores. O que ele argumentou, nesta terça, 31, ser algo na linha do ponto de vista defendido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, é visto pelo funcionalismo como um gesto aos servidores.

O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), apresentou um projeto que propõe a redução entre 20% a 50% de quem recebe acima de R$ 10 mil no serviço público. A medida valeria para servidores da União e parlamentares. Hoje, sinalizou o recuo. Continua sendo a favor, mas prega uma trégua.

A lógica do demista é não se desgastar sozinho. Afinal, a pressão é grande. Várias entidades representantes de categorias do funcionalismo reiteraram posicionamento contrário à proposta. A exemplo do Sindicato Nacional dos Servidores do Ministério Público da União (SindiMPU), que sugeriu a destinação de recursos dos fundos partidário e eleitoral, e do Fundo Soberano.

Pressão interna

Internamente, servidores comissionados e efetivos do Congresso também fizeram movimentos de pressão. O argumento é de que as bancadas estaduais destinaram suas verbas parlamentares ao combate ao coronavírus. Afinal, o movimento do Congresso era visto com receio.

Alguns servidores questionavam se a defesa pela redução de salários não estava sendo mascarada sob a alegação do coronavírus para, futuramente, manter após a crise. Aliados de Maia, contudo, refutam a ideia e sustentam que essa discussão virá após a crise por meio da reforma administrativa.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. E o salário gordo dos políticos nada né!

    Responder
    • Quem sofreria menos com essa redução seriam os próprios políticos. Afinal, duvido que a grande maioria deles viva dessa remuneração.

      Responder
  2. Antes pouco do que nada. A crise só está começando. A galinha dos ovos de ouro, que é o setor privado que abastece o Estado, vai por menos ovos, e pode até ficar impossibilitada de pô-los. Não pode haver anti-patriotismo neste cenário.

    Responder
    • Que se tire de quem tem SOBRANDO e não investe movimentando a economia: bancos e bilionários.
      Por quê será que esses sempre são poupados?…

      Responder
  3. Tem que diminuir sim os salários dos políticos!
    Érico

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

O Brasil na hora da verdade

Com o rombo nas contas públicas e o colapso da economia, a pauta das reformas ganha urgência, mas enfrenta as resistências de sempre

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

Por que há socialistas com mais de 30 anos

Duas razões: todos nós crescemos em famílias, que são pequenas comunidades socialistas; e na economia contemporânea é difícil estabelecer a conexão entre esforço e recompensa

O Ocidente em guerra com seu passado

O que está em jogo não são apenas estátuas e outros símbolos físicos do passado, mas a preservação do espírito que inspirou as conquistas civilizacionais da cultura ocidental

Fracasso governamental

“Os governos fracassaram de modo retumbante na crise do coronavírus. Mas também não há evidências de que o...

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês