Mais de 150 mil casos de câncer deixaram de ser diagnosticados

Edição da semana

Em Em 27 out 2020, 21:22

Mais de 150 mil casos de câncer deixaram de ser diagnosticados no Brasil

27 out 2020, 21:22

Estimativa é da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica

diagnósticos de câncer - pandemia

Foto: Canva

O Brasil enfrenta outro mal além da pandemia do novo coronavírus. Desde que os primeiros registros de covid-19 surgiram, o país deixou de diagnosticar mais de 150 mil casos de câncer. O número foi estimado nesta semana pelo presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO), Alexandre Ferreira de Oliveira.

Leia mais: 7 considerações sobre a pandemia

Em entrevista à Rádio Bandeirantes, Oliveira destacou ser essencial perder o medo da pandemia. “A rotina de exames precisa voltar ao normal, seguindo, claro, todas as recomendações de segurança que já conhecemos, como evitar aglomeração e utilizar máscara e álcool em gel”, avisou. Somente de março a maio, a SBCO informou que 50 mil casos de câncer não haviam sido diagnosticados no país.

Oncologista e imunologista, Nise Yamaguchi analisou a situação na noite de hoje. Em entrevista à Jovem Pan, ela destacou que, devido à força-tarefa criada em hospitais para enfrentar a covid-19, ainda “é uma dificuldade” lidar com outras doenças. “Além de tudo, não estamos com a infraestrutura adequada”, afirmou, ao participar de Os Pingos nos Is, programa que conta com comentários de Guilherme Fiuza, Augusto Nunes e Ana Paula Henkel, colunistas da Revista Oeste.

Em relação direta à notícia sobre diagnósticos de câncer que passaram em branco devido à pandemia, Nise lamentou, mas informou que o sistema de saúde segue sem operar normalmente. “[A infraestrutura médica] está sobrecarregada. Os pacientes estão atrasados, tanto na cirurgia quanto no diagnóstico”, disse ela.

Vacina contra a covid-19

Nise Yamaguchi também fez observações sobre projetos de vacina contra a covid-19. Nesse sentido, afirmou que os testes estão sendo aplicados “há pouquíssimo tempo”, o que torna impossível a segurança total, pois não se consegue monitorar eventuais casos de efeitos colaterais. “O tempo é necessário para que esses feitos sejam devidamente estruturados”, declarou.

Sem evitar citar de forma direta a CoronaVac ou algum outro imunizante em estudo, a oncologista e imunologista deu a entender que as vacinas anunciadas contra o novo coronavírus podem estar pulando etapas. “Não passaram por uma fase pré-clínica longa”, afirmou.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês