Manual da Procuradoria-Geral - Revista Oeste

Revista

Manual da Procuradoria-Geral
O guia para que a PGR possa trabalhar em paz, procurando não encontrar nada
7 ago 2020, 09:20

— O que faz o procurador-geral?

— Procura geral. O nome já diz.

— Ah, tá. Procura o quê?

— Procura não achar.

— Não é perigoso?

— Por quê?

— Dizem que quem procura acha.

— Depende. Se procurar direito, não acha.

— Entendi. E no caso é pra não achar o quê?

— Difícil te responder isso, enquanto nada for achado.

— Imagino. Você não pode adivinhar, né?

— Pois é.

— Mas você não tem nem uma hipótese?

— Sobre o quê? Me perdi.

— Normal. Quem não acha se perde mesmo.

— Que bom que você entende a angústia de um procurador-geral.

— Entendo totalmente. E vou te ajudar: estávamos falando sobre o que o procurador-geral procura não achar.

— Lembrei. É, realmente não sei.

— Foi aí que te perguntei se você não tem uma hipótese…

— Hipótese, no caso, de quê?

— Do que o procurador-geral procura não achar.

— Ah, sim. Tenho.

— Ótimo! O que seria?

— Ladrão.

— O procurador-geral procura não achar ladrão?

— Não sei. Você pediu uma hipótese.

— Claro, claro. Mas esse “ladrão” aí é código, né? Estamos falando de que na verdade?

— De ladrão mesmo.

— Ladrão ladrão?

— Isso.

— De galinha?

— Não. De dinheiro.

— Que dinheiro?

— Dinheiro público. Que não é de ninguém, aí fica mais fácil não achar.

— Faz sentido. E o que você acha…

— Não acho mais nada. Já achei demais pra quem procura não achar.

— Desculpe, tem toda a razão. E já andaram achando demais no Brasil nos últimos anos, né?

— Demais. Se perderam de tanto achar.

— Acharam até a quadrilha do Lula.

— Lula? Que Lula?

— Também não sei. Me perdi.

— Se perdeu porque não está procurando direito. Aí acaba achando.

— Verdade. Quem acha se perde.

— Aí é a Perdição-Geral da República.

— Que horror.

— Não se preocupe. Estamos corrigindo isso.

— Que bom. Ninguém aguentava mais esse achismo.

— O que é isso?

— Achismo é quando muitas coisas são achadas.

— Ah, aí é terrível mesmo. O achismo leva ao investigacionismo.

— Que leva ao punitivismo.

— Que leva ao prisionismo.

— Que leva ao legalismo.

— Chega de ismos.

— Já bastam os abismos.

— O Brasil precisa de paz.

— Amor.

— Tolerância.

— Toga.

— Hein?

— Toga. Toga para todos.

— Para todos? Será que dá?

— É… Acho que não. Desculpe, me empolguei.

— Sem problema. Na hora do discurso a gente se empolga mesmo.

— Isso. Deixa como tá.

— Como tá, não. Como era antes.

— Me referi às togas: deixa como tá, pra voltar como era antes.

— Perfeito. Acho que encontramos o ponto.

— Jamais repita isso! Procurar, sempre; encontrar, jamais.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

21 Comentários

  1. Exatamente deixar como estava antes, e ainda melhorar um pouco com liberdade definitiva do ladrão LULA. Sensacional kkk

    Responder
    • Fantástico texto!

      Responder
  2. Após ter lido o artigo do Augusto Nunes na edição de hoje, não posso mais comentar com um KKKK, ou com um rsrsrs. Então que tal HAHAHAHAHAHA!
    Muito bom, Fiuza. Você é muito…. por assim dizer…. sarcástico.

    Responder
  3. Um bom jogo de palavras.
    Mas faltou incluir delações homologadas com o criminoso pagando pequena fração do butim.
    Crimes lavrados em documentos públicos (Pasadena, por exemplo), de conhecimento público dos quais há uma inação e engavetamentos berrantes.
    Falta muito, Fiuza, para esse jogo de palavras fazer sentido.
    Muito a corrigir e tenha em vista que o MP é a linha de frente da impunidade. Basta conferir o número de condenados ou de condenados presos, ou o bloco da prescrição..

    Responder
    • Tentei procurar um cronista como você e não achei. Graças a Deus! Eu e minha esposa esperamos a revista Oeste como quem espera aquele pãozinho quente que sai do forno da padaria! Obrigado.

      Responder
  4. Estamos de mal a pior. Quem detém a iniciativa da ação penal pública, não quer achar nada. Está muito complicado.

    Responder
  5. Lembrei-me de uma piada de Chico Anízio no tempo do Regime Militar quando um Compadre perguntou ao outro ; Compadre! O que tu achas da Revolução ? Home eu não acho, porque um amigo meu achou e até hoje não o acharam.

    Responder
  6. Sensacional !
    O PGR sente saudades do velho e bom combate à corrupção, que nós sabemos o que significa, né ?
    Ou seja, deixar que as coisas voltem aos tempos anteriores à Lava Jato.
    Parabéns, Fiuza !

    Responder
  7. Guilherme sou seu fã e sigo vc nos pingos nos IS.Perfeito sua crônica Manual da Procuradoria Geral, mais claro que isso nem a Fonte da Fontana de Treves.

    Responder
  8. Algumas perolinhas do nosso grande jurista PGR/Aras: 1 – ao invés de utilizar as instâncias legais/administrativas (Corregedoria e CNMP) contra pretensos abusos de Procuradores da Lava-Jato, vai chorar pitangas e pedir providências ao seu parceiro STF; 2 – continua a oficiar em Inquérito teratológico iniciado diretamente pelo STF, mesmo depois da PGR anterior, Raquel Dodge, ter-se manifestado pela sua inconstitucionalidade e pelo seu arquivamento. Cooomo assim???? E, atenção: noticia-se que o mesmo ilustradíssimo Aras está querendo que o nosso graaande STF censure – de novo – a Crusoé/Antagonista, inserindo leitores, por suas opiniões, no Inquérito do STF, aqueeele mesmo. Bolsonaro: onde estavas com a cabeça???

    Responder
  9. Rindo muito, porque chorar não está adiantando nada.

    Responder
  10. Guilherme, essa crônica está digna do momento estapafúrdio em que passamos – e excelente em um contexto em que em um piscar de olhos um “togado” Mendes solta um elemento preso pela PF e a imprensa nem noticia e o empregador não diz nada – para que mesmo procurar ? Perfeito, parabens !

    Responder
    • Brilhante

      Responder
  11. Achei (?) meu ídolo, Fiúza, vc é bom demais nesse mundo de cretinos. O texto que vc nos oferece hoje é maravilhoso, insanamente lúcido, absurdamente claro e delicioso de ler. Obrigada.

    Responder
  12. Amo! Diálogos primorosos para ler, ouvir e pensar ~ “O que será que ainda vem por aí?!? Não tem fim, isso?!?”

    Responder
  13. Genial !

    Responder
  14. Pô,Fiuza! Dexa cumé qui tá, pa vê cumé qui fica.

    Responder
  15. Quanta injustiça! Ele achou o Moro!!

    Responder
  16. Quando eu li ” manual ” no título já fiquei super empolgado em ler, e realmente, valeu cada travessão ( por assim dizendo).
    Genial mais uma vez mestre!

    Responder
  17. Ôh FIUZA!!!
    Te superaste. Procurei, me esforcei para não encontrar, mas sem querer achei por demais inteligente, fantástico, genial o teu texto.

    Responder
  18. Fiuza, é sempre um prazer ler os seus textos.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês