Marco legal das ferrovias será votado na semana que vem - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 28 nov 2020, 10:20

Marco legal das ferrovias será votado na semana que vem

28 nov 2020, 10:20

Medida amplia atração de investimentos privados e promete revolucionar o setor

marco legal das ferrovias

Projeto autoriza o governo a promover um chamamento público para saber se há interessados em obter autorização para explorar trechos ferroviários ociosos | Foto: Divulgação/Agência Brasil

Com a promessa de organizar o arcabouço de regras e permitir novos formatos para a atração de investimentos, o “marco legal” das ferrovias será votado na semana que vem. A medida possibilita atração de investimentos privados num setor engessado e esquecido por vários governos. Em discussão desde 2018, o texto entrou na lista de prioridades do Ministério da Infraestrutura. O projeto nasceu da ideia de introduzir no mercado de trens o regime de autorização. Nele, é o próprio investidor quem leva ao governo seu interesse de construir e operar uma nova linha, por sua conta e risco. Diferentemente de uma concessão, o poder público (prefeitura, Estado ou governo federal) não precisa fazer um leilão para decidir quem vai operar o trecho, uma vez que a ideia da linha customizada surge da necessidade do investidor privado. A União apenas autoriza o projeto.

Quer saber mais sobre o assunto? Leia a reportagem especial que ‘Oeste’ publicou antecipando a medida

O modelo de concessão para ferrovias continuará existindo e é importante para grandes projetos que envolvem mais de uma carga, interesses difusos e cujo traçado corta mais de um Estado. Nesses casos, há um interesse de política ferroviária por parte do Estado brasileiro, fazendo com que o esquema de concessão — com regras mais rígidas, porém, com compartilhamento de riscos com o poder público — seja mais interessante. Atualmente, são cerca de 30 mil quilômetros de ferrovias concedidas. Entre outros pontos, o texto autoriza o governo a promover um chamamento público para saber se há interessados em obter autorização para explorar trechos ferroviários ociosos por mais de três anos. A medida prevê, no caso das ferrovias urbanas, a possibilidade de Estados e municípios explorem imóveis ao lado da ferrovia para diversificar receitas.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Devemos considerar também a modalidade Open Access , quando várias empresas concorrem gerando competição no valor dos fretes.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

Os novos senhores do mundo

Os gigantes da tecnologia censuram Trump, fazem o que bem entendem e exercem um poder global desmedido. Isso é justo?

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês