Médico da OMS critica resposta 'imprecisa e equivocada' da entidade

Edição da semana

Em Em 10 jun 2020, 16:06

Médico da OMS critica resposta ‘imprecisa e equivocada’ da entidade

10 jun 2020, 16:06

Idas e vindas de posicionamentos fazem organização conviver com briga interna

oms - médico italiano - walter ricciardi - maria van kerkhove

Bandeira da OMS | Foto: DIVULGAÇÃO

Depois de uma de suas integrantes afirmar que a transmissão de covid-19 por pessoas assintomáticas era “muito rara”, a Organização Mundial da Saúde (OMS) prossegue com embates internos. Nesta quarta-feira, 10, mais um médico da entidade criticou o discurso feito por Maria Van Kerkhove, chefe do programa de emergências.

Leia mais:Brasil vai propor investigação sobre a OMS

Representante da Itália na OMS, o médico Walter Ricciardi não poupou palavras para avaliar o conteúdo exposto na última segunda-feira. Para ele, a fala de Van Kerkhove representa uma “resposta precisa e equivocada”. De acordo com ele, a colega de organização deveria explicar que há pessoas que jamais apresentam sintomas, mas há quem ainda esteja na fase “pré-sintomática”.

“Transmissão por pré-sintomáticos é típica desse vírus”

“A transmissão por pré-sintomáticos é típica desse vírus, o que o diferencia da Sars e da Mers”, afirmou o italiano que é médico da OMS. Ricciardi não afirmou, contudo, se os assintomáticos transmitem — ou não — o vírus da covid-19 no mesmo grau de intensidade. “Em um mês, [o coronavírus] se difundiu por todo o  mundo, enquanto outras pandemias levaram seis meses ou um ano”, prosseguiu.

Discurso desautorizado

Italiano, o médico da OMS Walter Ricciardi não foi o único a criticar a fala de Maria Van Kerkhove no começo da semana. Anteriormente, o diretor Michael Ryan havia, entre outras palavras, desautorizado o discurso da colega. Algo que fez com que Oeste registrasse que a organização se viu obrigada a desmentir a si mesma. Nesse sentido, ele deu a entender que a integrante da entidade havia repassado informação imprecisa. Ele afirmou que, sim, assintomáticos transmitem o vírus. “A questão é saber quanto”, registrou.

Confira também:‘Festa junina’ da OMS vira piada na internet

Com informações da agência de notícias Ansa.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Alguém ainda acredita na OMS?? E depois o “louco” é o Bolsonaro.

    Responder
  2. Vamos combinar: ao indicar a recomendação da OMS, é preciso informar o dia.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

O ataque

A baderna no Capitólio é mais um sintoma da crise da democracia do que a causa de novos problemas

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês