Mercado imobiliário com retomada em V - Revista Oeste

Revista

Mercado imobiliário com retomada em V
Consumidores querem apartamentos maiores, com escritório e varanda, ou casa longe dos grandes centros. E os negócios estão em crescimento
11 set 2020, 08:17

O mercado imobiliário é um dos segmentos da economia cujo desempenho demonstra retomada vigorosa. Ao lado do agronegócio e do mercado financeiro, o setor de construção, venda e aluguel de imóveis comerciais e residenciais apresenta crescimento em relação aos primeiros meses da pandemia. Compreende-se: as pessoas continuam casando e procurando teto, jovens seguem almejando sair da casa dos pais, casais têm filhos e precisam de apartamento com mais espaço.

A demanda gera trabalho para o setor. Levantamento realizado em agosto pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) revela que os trabalhos não pararam: quase 98% dos empreendimentos seguiam com obras ativas. E os clientes continuaram a fechar negócios. Dados do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) mostram que na capital paulista as vendas de “unidades residenciais novas” aumentaram 45% de junho para julho. Foram 4.331 unidades de apartamentos novos vendidas no período. Um colosso de desempenho.

Os números divulgados pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) confirmam a tendência. O crédito imobiliário movimentou no país R$ 10,8 bilhões em crédito imobiliário em julho — uma evolução de 16% no comparativo com junho e 61% ante o mesmo mês de 2019.

A constatação é que está mesmo havendo uma “retomada em V” — quando os negócios desabam brutalmente para logo em seguida registrar uma recuperação rápida. O ponto crítico do V se deu em abril e maio. Mas, logo em junho, o mercado dava conta do diagnóstico preciso: as pessoas não haviam cancelado os planos; tinham apenas adiado.

Fundos imobiliários com alta performance

Outro indicador positivo é a performance que vem sendo registrada pelos fundos de investimentos imobiliários (FII). No primeiro semestre deste ano, a alta foi de 28% quando comparada ao período de janeiro a junho de 2019. “Com a queda da Selic e sem o tripé liquidez, segurança e rentabilidade, os investidores buscam produtos mais arrojados, que mesclam renda fixa e variável”, diz Carlos André, vice-presidente da Anbima e diretor-executivo de fundos do Banco do Brasil Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários (BB DTVM).

O vigor do mercado também se demonstra nos fundos imobiliários voltados para o agronegócio. É o caso, por exemplo, do Terrax. “Queremos gerar ganho de capital por meio de aquisição, venda e arrendamento de imóveis rurais destinados à produção agropecuária”, posicionou-se a empresa ao registrar o pedido para operar no mercado de ações do país.

Mercado em alta = empresas agitadas

Diante da retomada do crescimento no pós-pandemia, a imobiliária digital QuintoAndar apresentou no início de agosto seu mais novo serviço. Agora, atua como intermediadora em ações de compra e venda de casas e apartamentos no Rio de Janeiro — cidade em que já operava com aluguéis.

Marca mantida pela MRV com foco em loteamentos, a Urba registrou em agosto pedido para realizar sua oferta pública inicial. Trata-se do ato que marca a estreia de uma companhia no mercado de capitais, o IPO. A Urba tem a expectativa de levantar nada menos que R$ 1 bilhão.

Também em agosto, a Gafisa surpreendeu investidores e tornou público o interesse em promover o que chamou de “integração do negócio” com a Tecnisa. A possibilidade de fusão não era esperada. Em nota, o conselho de administração da Tecnisa informou não ter solicitado nenhum tipo de operação nesse sentido. Para a Gafisa, no entanto, a ausência de solicitação pouco importa. “Uma integração entre os projetos das duas empresas tem o potencial de beneficiar acionistas de ambas as companhias”, informou à Revista Oeste o diretor de relações com investidores da Gafisa, Ian Andrade.

Os novos desejos

Com mais pessoas trabalhando de casa, cresce a demanda por apartamentos maiores, com quartos que possam ser transformados em escritórios. Há também um expressivo contingente que busca alternativas fora dos grandes centros urbanos — normalmente, casas amplas, com jardim e piscina. Mais lazer doméstico também faz crescer a procura por varanda gourmet.

Ter um imóvel com varanda é visto como ponto positivo para mais da metade das pessoas, aponta estudo do Grupo Zap em julho. O espaço foi mencionado como “importante” ou “muito importante” por 57% dos entrevistados e 19% dizem ter interesse moderado. A mesma pesquisa destaca os principais desejos:

  • Estar próximo de pontos comerciais — 68%
  • Apartamento com ambientes bem divididos — 63%
  • Vista “desimpedida” — 55%
  • Mais de um dormitório — 49%
  • Prédio que esteja em condomínio com área de lazer — 34%

Quem casa quer casa

Assim como as vendas do setor, o número de novos matrimônios voltou a crescer. Em julho, a quantidade de casamentos celebrados no Brasil retomou o patamar registrado em março: 50 mil, conforme o Portal da Transparência do Registro Civil. Em abril, maio e junho, os números não chegaram a ultrapassar 40 mil casamentos por mês. Convém assinalar que esses são os casamentos oficiais, “no papel”. Estima-se que o Brasil tenha, todo ano, 1,1 milhão de casamentos e “recasamentos”.

Presidente da Apto, plataforma que exibe imóveis em lançamento, Alex Frachetta reforça que, além dos recém-casados “já pensando em ter filhos”, famílias com crianças ajudam a movimentar o mercado neste momento de retomada. “Estão procurando imóveis de três dormitórios e com área de lazer”, diz ele.

As expectativas desses brasileiros que se recusam a paralisar a vida diante da pandemia asseguram a retomada em V do mercado imobiliário. Estão abertas as portas para a retomada dos negócios — e o vírus chinês está trancado do lado de fora.

Leia também “Por onde virá a retomada”

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Outra procura grande é de apartamentos para aluguel como fonte de renda, pois com essa Selic tão baixa as aplicações financeiras com baixo risco não rendem mais quase nada

    Responder
  2. Em contrapartida as locações comerciais imagino que ainda estejam em baixa. É notório que a pandemia fez do homeoffice uma tendência pra lá de interessante, prática e sobretudo econômica, tanto para funcionários quanto para empresas.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês