Mesmo sem Bolsonaro, PSL quer se manter grande - Revista Oeste

Edição da semana

Em 19 set 2020, 10:30

Mesmo sem Bolsonaro, PSL quer se manter grande

19 set 2020, 10:30

Projetado pela eleição do atual presidente, PSL pretende disputar quase mil prefeituras em 2020

PSL

Partido está dividido entre aliados e ex-aliados do presidente Bolsonaro
Foto: Marcos Corrêa/PR

Desconhecido de boa parte dos eleitores até 2018, o PSL conseguiu se tornar um dos maiores partidos do Brasil após a eleição do presidente Jair Bolsonaro. Com a projeção, a sigla tem hoje a segunda maior bancada do Congresso e vai receber quase R$ 200 milhões do Fundo Eleitoral em 2020.

Agora, o objetivo do PSL é manter-se grande mesmo sem a filiação de seu principal projetor, o presidente da República. Além disso, a sigla vive atualmente uma divisão: deputados bolsonaristas e a ala independente. Por causa das regras partidárias, os mais próximos do chefe do Executivo não conseguiram deixar a legenda.

Leia mais: “Fundo Eleitoral ‘aproxima’ PT e PSL; entenda”

Mesmo dividido, o PSL vai apostar todas as suas fichas nas eleições municipais deste ano, no intuito de seguir como um dos partidos mais influentes do Brasil. Para isso, o partido pretende lançar 936 candidatos a prefeito. O número é 561% maior que o de 2016. Esse total pode sofrer variações até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) analisar todos os registros de candidatura.

“Mesmo não estando mais na base do governo, o partido está na expectativa de seguir na onda bolsonarista para conseguir aumentar o número de prefeitos e vereadores. Essa visibilidade é importante”, comentou um integrante da sigla ouvido por Oeste. Atualmente, o PSL administra 30 dos mais de 5 mil municípios brasileiros.

Divisões

Entre os mais próximos de Bolsonaro, o deputado federal Filipe Barros (PR) oficializou sua candidatura à prefeitura de Londrina neste ano. A confirmação de seu nome foi marcada por diversas disputas internas no partido. O parlamentar divergia do presidente nacional do PSL, Luciano Bivar.

Aliás, a proximidade com o presidente poderá resultar em vantagem para o candidato. Em 2018, mais de 80% dos eleitores de Londrina votaram em Bolsonaro, que ainda mantém bons índices de aprovação na região. Contudo, Barros afirma que o chefe do Executivo não vai tomar parte na campanha.

“Quero deixar bem claro que o presidente não vai participar. E eu concordo com a decisão dele, porque temos que acabar com essa de candidato do presidente, candidato do governador. Nossas propostas são para a cidade”, afirma Barros.

Já na disputa pela principal prefeitura do país, o cenário será diferente daquele do interior do Paraná. Ex-aliada do presidente Jair Bolsolaro, Joice Hasselmann vai concorrer à prefeitura de São Paulo em clima que nada lembra o que se viu nas últimas eleições.

PSL Bolsonaro

Joice deixou de ser aliada do chefe do Executivo quando foi retirada do posto de líder do governo no Congresso | Foto: Marcos Corrêa/PR

Em 2018, Joice concorreu como deputada federal e elegeu-se como a mulher mais votada da história da Câmara, com mais de 1 milhão de votos. No entanto, o panorama de 2018 não é o de hoje. Após romper com o presidente, a parlamentar viu sua popularidade diminuir. Além disso, a candidata vem sofrendo com a resistência interna encontrada no próprio partido. Aliás, pesquisas de pré-campanha mostravam Joice com apenas 2% das intenções de voto do eleitorado paulistano.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Hahahhahahahaha!!
    Os eleitores de Bolso estão atentos contra os CANDIDATOS TRAÍRAS E SEUS PARES no PSL. A série Netflix “OS OPORTUNISTAS 2” NÃO PASSARÃO!! Vão todos comer poeira.
    A surra será ACACHAPANTE!!

    Responder
  2. PSL teria a prefeitura com certeza, se tivesse escolhido qualquer outro nome.
    Virou questão de honra impedir a eleição da péssima (e arrogante) Joice.

    Responder
  3. Eu faço questão de boicotar vigaristas mentirosos e traíras como Joice, Pimentel, Olímpio, Freire, Lemos, Bozella e afins.
    Nem pra síndicos

    Responder
  4. PSL sem o Presidente Bolsonaro não existe.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês