Sérgio Cabral merece ter pena aumentada, afirma Ministério Público

Edição da semana

Em 28 set 2020, 18:55

Ministério Público quer aumentar pena de Sérgio Cabral

28 set 2020, 18:55

Órgão aciona a Justiça contra o ex-governador do Rio de Janeiro

sérgio cabral x mpf

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral | Foto: Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) acredita que o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral precisa permanecer mais tempo recluso da sociedade devido ao crime de lavagem de dinheiro. Nesse sentido, o órgão acionou o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) para que a pena de 13 anos de prisão seja revista.

Leia mais: “Eleições em Rondônia: presos, prefeitos seguem candidatos”

De acordo com o MPF, Cabral e outras duas pessoas foram responsáveis por 148 situações ilegais. Conforme afirma a instituição, o operador financeiro Carlos Miranda e o ex-assessor Ary Filho estiveram ao lado do político em esquema que teria ocultado a origem criminosa de mais de R$ 10 milhões — valor que teria relação com contratos celebrados pelo governo fluminense.

Ao defender a revisão das penas, a equipe do MPF afirma que o caso precisa ser punido com mais tempo de prisão. A instituição não orienta, entretanto, qual deve ser a nova condenação contra Cabral. Na primeira sentença do caso, o ex-governador do Rio de Janeiro foi, além da reclusão, obrigado a pagar multa equivalente a 480 salários mínimos.

Lavagem de dinheiro

Procurador regional da República, Rogério do Nascimento afirma que, ao menos em um caso, a ocultação no esquema que teria a participação de Sérgio Cabral foi facilmente desvendada pelas autoridades. “Conforme o auto de apreensão, um dos veículos se encontrava na residência de Ary Filho e as chaves na cabeceira de sua cama, sendo esses elementos, além de outros, aptos a demonstrar a real propriedade daquele bem.”

MAIS: “Quem é Cláudio Castro e como ele se tornou governador do RJ”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Mais ainda?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês