Missas voltarão a ser celebradas no dia 18 na Itália - Revista Oeste

Edição da semana

Em 7 maio 2020, 11:42

Missas voltarão a ser celebradas no dia 18 na Itália

7 maio 2020, 11:42

Acordo entre o governo italiano e a Igreja Católica impõe regras rígidas para as cerimônias religiosas no país europeu

Igreja Católica

Foto: jplenio/Pixabay

O governo italiano e bispos da Igreja Católica assinaram um acordo nesta quinta-feira para permitir que os fiéis possam voltar a assistir as missas nas igrejas a partir do próximo dia 18. O acordo encerra o impasse entre a Igreja e o Estado desde que o governo decretou o lockdown em março.

O governo proibiu as missas, junto com outros tipo de reuniões, como forma de prevenir a disseminação do coronavírus. Muitos católicos criticaram a decisão, afirmando que as missas são serviços essenciais, como as compras nos mercados.

As tensões se intensificaram quando o governo anunciou uma reabertura gradual da economia, mas não incluiu as missas na fase que começou no dia 4 de maio, como informa a Agência Reuters.

Os bispos afirmaram ao governo que  “não iriam aceitar a liberdade religiosa ser comprometida”. Grande parte das igrejas italianas permaneceram abertas durante todo o período da crise,mas somente para orações individuais. Os fiéis estão acompanhados as missas pela televisão ou pela internet.

Regras para a retomada

As missas deverão respeitar restrições rigorosas, conforme o acordo assinado entre o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, e o presidente da Conferência dos Bispos Italianos, cardeal Gualtiero Bassetti.

Os padres deverão garantir que os fiéis, que precisam usar máscaras, fiquem a pelo menos um metro de distância um dos outros. Os sacerdotes podem celebrar a missa sem máscaras, mas devem usar máscaras e luvas na hora da comunhão. No momento, corais, água benta e o comprimentos estão vetados.

As missas vão voltar no mesmo dia que serão reabertos museus e livrarias.

O Estado da Cidade do Vaticano, a sede da igreja Católica, que segue muitas das medidas impostas pelo governo italiano, ainda não colocou  uma data para a reabertura da Basílica de São Pedro ou dos museus localizado no menor país do mundo, encravado na capital italiana, Roma.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Missa, é o que menos os italianos necessitam neste momento. Estão começando a sair de uma violenta pandemia, e não deveriam correr riscos desnecessários. Orações podem ser feitas em qualquer lugar, distante de aglomerações.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês