Morre o senador Arolde de Oliveira - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 21 out 2020, 22:58

Morre Arolde de Oliveira

21 out 2020, 22:58

Senador tinha 83 anos e estava internado com covid-19

arolde de oliveira

O senador Arolde de Oliveira | Foto: Divulgação/Senado

O senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ) morreu na noite desta quarta-feira, 21. Aos 83 anos, o parlamentar estava internado em decorrência da covid-19 e teve falência múltipla de órgãos, informou a equipe de comunicação dele por meio das redes sociais.

Eleito senador pela primeira vez já octogenário, em 2018, Arolde fez carreira na outra Casa legislativa da Praça dos Três Poderes. Foi deputado federal por nove mandatos consecutivos. Estreou na função em 1983, após ficar como suplente do PDS do Rio de Janeiro.

Permaneceu por décadas no PFL/DEM, em que foi considerado um dos caciques. Foi, por exemplo, presidente estadual do partido por dez anos e chegou a ter vez na executiva nacional da legenda. Durante a gestão de Cesar Maia na prefeitura carioca, no início dos anos 2000, foi secretário de Transportes. 

Mudança de partido

Em 2011 fez parte do grupo político que deixou o DEM e ingressou no então recém-criado PSD, de Gilberto Kassab. Pela nova sigla, foi eleito deputado federal pela última vez, a nona consecutiva, em 2014. Dois anos mais tarde, votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff.

Rompeu com o PSD e foi para o PSC. A separação, no entanto, durou pouco. Voltou para a legenda em 2018, ano em que decidiu concorrer a uma vaga no Senado. Recebeu quase 2,4 milhões de votos e foi eleito ao lado de Flávio Bolsonaro para representar o Rio de Janeiro.

Religioso e empresário de comunicação

Evangélico, Arolde de Oliveira conciliou a carreira política com a função de empresário de comunicação. Em 1992, fundou a Rádio El Shadday (hoje chamada 93 FM) e comprou uma gravadora musical, o que gerou a criação do Grupo MK de Comunicação, que segue em atividade até hoje, com foco em eventos e ações de mídia voltados ao segmento cristão.

Conteúdo publicado originalmente em 21/10/2020, às 21h48.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Prazer em finalmente saber que esse senhor existiu.
    Quais foram sua propostas ao longo de toda vida de politico profissional?
    Quais projetos colocou em discussão ou tentou “emplacar”?
    Sinceramente, se trata de alguém que viveu em função de politicas, cargos e amizades junto ao poder.
    Que a terra lhe seja leve ou o forno do crematório – se for o caso – seja breve.
    Teve sua chance de ser diferencial, agora é apenas mais um que passou pela vida e, esperamos não ter procriado, para não seguir a prole no mesmo diapasão.
    A morte torna todos bons, ou não…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês