Morte de senador fará Carlos Francisco Portinho estrear no Congresso

Edição da semana

Em Em 22 out 2020, 14:58

Morte de senador fará advogado estrear no Congresso

22 out 2020, 14:58

Carlos Francisco Portinho é o primeiro suplente de Arolde de Oliveira

carlos francisco portinho

Carlos Francisco Portinho deve tomar posse como senador pelo RJ | Foto: Reprodução/Facebook

O Estado do Rio de Janeiro se prepara para ter novo representante no Senado Federal. Com a morte de Arolde de Oliveira, a cadeira então ocupada por ele deverá ficar com Carlos Francisco Portinho. Atualmente com 43 anos, o advogado foi eleito primeiro suplente na eleição de 2018.

Leia mais: “Expulso do Novo, candidato à prefeitura de SP reclama de Amoêdo e ‘capangas’”

Substituto natural de Arolde de Oliveira, Portinho fará a sua estreia no Congresso Nacional. Filiado ao PSD, ele chegou a se candidatar a vereador da capital fluminense em 2016, mas não obteve êxito nas urnas. Recebeu pouco mais de 7 mil votos e, assim, não foi eleito, ficando com a segunda suplência do partido.

Apesar da pouca experiência em disputas eleitorais, ele não pode ser considerado um novato na política. Portinho desempenhou funções na administração pública em três oportunidades. Primeiramente, foi subsecretário estadual de Ambiente do Rio de Janeiro (fevereiro e março de 2014). Depois, foi secretário do Ambiente e Sustentabilidade do Executivo fluminense e, na sequência, foi nomeado secretário de Habitação da prefeitura carioca.

Carreira como advogado

Na iniciativa privada, o futuro senador pelo Rio de Janeiro construiu carreira na advocacia. Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), ele conta com três especializações: Direito Esportivo, Direito Público e Tributário e Gestão Pública & Liderança. Na parte acadêmica, atua como professor universitário desde 2009.

Sócio do escritório Stockler Macintyre & Portinho Advogados, conforme informa em seu perfil no LinkedIn, Carlos Francisco Portinho trabalhou em outros escritórios de advocacia. Além disso, chegou a atuar como vice-presidente jurídico do Clube de Regatas Flamengo (2001 – 2002) e foi sócio de empresa responsável por “empreendimentos desportivos.” 

Político milionário

Portinho chegará ao Senado com status de milionário. Em 2018, ele declarou à Justiça Eleitoral ter o equivalente a R$ 2,5 milhões em bens. Entre os itens estava uma fazenda em Mar de Espanha, município de Minas Gerais. Somente a propriedade rural estava avaliada em R$ 1,6 milhão.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Se tem conhecimento sobre Direito Tributário, no momento, será útil.

    Responder
  2. Suplente com currículo de deixar todos de orelhas em pé (olhos abertos), circulou demais no meio político do Rio de Janeiro.

    Responder
  3. Senador com “apenas” 2,5 milhões é pobre se comparado com os velhacos pilantras que habitam aquele antro.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês