Mourão questiona: 'Amazônia em chamas?' - Revista Oeste

Edição da semana

Em 20 set 2020, 10:28

Mourão questiona: ‘Amazônia em chamas?’

20 set 2020, 10:28

“Somos o país que menos desmatou na história da humanidade”, escreveu o vice-presidente da República

Mourão

Vice-presidente Hamilton Mourão | Foto: Bruno Batista /VPR

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, disse neste sábado, 19, que as queimadas são “o coelho da vez, tirado da cartola, para como em uma mágica induzir o espectador a acreditar no truque que lhe está sendo encenado”.

Em artigo publicado nas redes sociais, ele destaca que os mais variados atores acusam o Brasil de não ser capaz de cuidar do seu patrimônio ambiental, em particular a Amazônia. “Uma ironia, levando em consideração que somos o país que menos desmatou na história da humanidade”, pontou.

LEIA MAIS: A PECUÁRIA DÁ UMA AULA CONTRA O DESPERDÍCIO, na edição desta semana da Revista Oeste

Mourão reforçou que o Brasil é a nação que tem a matriz energética mais limpa e a maior cobertura vegetal original, “chegando ao admirável valor de 84% de área nativa preservada na Amazônia e mais de 60% se considerarmos todo o território nacional”.

“Interesses econômicos e políticos a parte, também ocorre uma certa desinformação, que termina por ganhar força junto aos que jamais pisaram na Amazônia”, afirma o vice-presidente.

O texto diz que as queimadas que acometem a Floresta Amazônica e outros biomas do país também ocorrem no mundo, especialmente no período da seca. “Mas não na proporção trágica e com o descaso dos governantes como querem crer os donos das cartolas e dos coelhos”.

Ele destacou que o governo do presidente Jair Bolsonaro “não compactua com ilegalidades e manterá os esforços constantes no sentido de que criminosos ambientais sejam enfrentados de acordo com a lei”.

Dados do Inpe

Para Hamilton Mourão, é necessário entender o que significam os focos identificados pelos satélites do Inpe, o Instituto Pesquisas Espaciais.

“As imagens acusam todos os tocos de calor, o que não significa incêndio, pois qualquer área com temperatura acima de 470 – uma fogueira por exemplo — é assim identificada. Além disso, como consta no site do instituto, é comum uma mesma queimada ser detectada por vários satélites”, diz o vice-presidente.

Ele afirma que os dados brutos não distinguem as queimadas ilegais das legais, que ocorrem dentro dos 20% de terra que, de acordo com a legislação, pode ser explorada no bioma Amazônia.

“Por isso é importante que os dados sejam transparentes, contudo submetidos a uma análise qualitativa por meio de processo inteligente, levando a ajustes e correções, necessários para o combate ás ilegalidades e para que a informação produzida seja a expressão da verdade”, afirma.

“Não se deixem levar por narrativas tiradas da cartola, como o coelho daquele mágico”, finaliza o vice-presidente.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Mourão tem que urgentemente CONVOCAR os ministros do STF, especialmente Barroso e Carmem Lúcia,

    Responder
    • Errei e foi enviado parcialmente o que queria manifestar. É constante a critica de nacionais como Barroso, Carmem Lucia, Gilmar Mendes e outras celebridades politicas a este governo, e por consequência se associam a imprensa incendiária para levar a pior mensagem ao mundo, e especialmente àqueles que atualmente perderam o espaço que dominavam por décadas.
      Desde quando a Amazônia era uma reserva florestal protegida e livre de desmatamento e incêndios, grilagem e outras formas de exploração, seja de ativistas governamentais e não governamentais? Parece que com 1 ano de governo, Bolsonaro e sua equipe destruíram e levaram os povos indígenas e sua população a miséria. Que capacidade de destruição é essa que querem imputar ao governo e portanto também as nossas forças armadas que são a única instituição que vive e conhece desta floresta e sua população?
      Recentemente o ministro Barroso mandou o governo enviar agua potável para os povos indígenas, sem sequer saber o que fala, pois mais de 30% da população brasileira não tem agua potável e só recentemente neste governo foi aprovado o marco regulatório do saneamento básico para suprir mais da metade da população sem saneamento. A ministra Carmem Lucia acolheu pedido de investigação de partido da oposição para que as forças armadas expliquem o que fazem na Amazônia. Que absurdo.
      Portanto, dada a ignorância desse dois notáveis do saber jurídico sobre a historia da Amazônia que tão bem as forças armadas conhecem, sugiro que o vice presidente Mourão os CONVOQUE para juntamente com outros ativistas nacionais e internacionais, imprensa, artistas e os tais de Greta e DiCaprio a visitarem a Amazônia, para caminhar e conhecer os locais ocupados pela enorme população carente, e sobrevoem as “enormes áreas incendiadas???”, para dizer o que viram, para a imprensa internacional. Mourão deveria pedir também a companhia dos embaixadores da Alemanha, França e Noruega.
      Entendo que é necessário que nossas altas autoridades contestadoras, precisam parar de alimentar o ódio a este governo usando de artimanhas que prejudicam não só ao governo mas também e gravemente o nosso pais.

      Responder
  2. Temos um grande Vice-Presidente, alinhado com o o titular. Ele tem que (e vai) continuar batendo nessa tecla, para mostrar aos imbecis da Europa (Alemanha, França e Noruega, entre outros), que não iremos aceitar nenhum tipo de chantagem. É altamente recomendável que não fiquem dando ouvidos a embusteiros como Paulo Coelho e aos idiotas da esquerda caviar como Di Caprio. Eles necessitam dos alimentos que podemos produzir, tanto como necessitamos de expandir nossas transações comerciais. Aí sim é toma lá, da cá.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês