Mourão vê 'certa hipocrisia' em impasse sobre retorno às aulas

Edição da semana

Em Em 3 dez 2020, 13:40

Mourão vê ‘certa hipocrisia’ em impasse sobre retorno às aulas

3 dez 2020, 13:40

“A mesma turma que não quer voltar para aula, vai para balada, vai para bar. Então, vamos ser coerentes nas coisas”, disse o vice-presidente

Hamilton Mourão

Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão | Foto: Bruno Batista/ VPR

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, vê “certa hipocrisia” da comunidade acadêmica na recusa em retomar as aulas em universidades federais.

Na quarta-feira 2, o Ministério da Educação (MEC) decretou que as aulas presenciais deverão retornar a partir de 4 de janeiro de 2021. Depois, recuou e, agora, deve abrir uma consulta pública para decidir sobre a questão.

Leia mais: “Falha do Ministério da Saúde expõe dados de 243 milhões de brasileiros”

“Isso é um assunto controverso, porque acho que até tem certa hipocrisia. As pessoas saem para a rua, vão para bares, restaurantes, mas não podem ir para aula”, criticou o vice-presidente.

Mourão garantiu que, “com boa vontade”, a retomada será possível.

“A mesma turma que não quer voltar para aula, vai para balada, vai para bar. Então, vamos ser coerentes nas coisas”, completou.

O MEC condiciona o retorno às aulas presenciais ao cumprimento de protocolos de biossegurança e prevê uso de ferramentas de tecnologia para complementar eventuais conteúdos que foram perdidos na pandemia.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

O ataque

A baderna no Capitólio é mais um sintoma da crise da democracia do que a causa de novos problemas

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês