Movimento pró-Mandetta nas redes ajudou a mantê-lo no cargo - Revista Oeste

Edição da semana

Em 7 abr 2020, 18:55

Movimento pró-Mandetta nas redes ajudou a mantê-lo no cargo

7 abr 2020, 18:55

Auxiliares do presidente da República têm admitido que ele não deixará de ouvir as redes sociais, apesar de entreveros com ministro

Mandetta perde espaço no governo

Mandetta e Bolsonaro têm tido opiniões divergentes | Foto: ISAC NÓBREGA/PR

Uma intensa mobilização em apoio ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ajudou de forma decisiva a mantê-lo no cargo. Desde domingo, o presidente Jair Bolsonaro vinha emitindo sinais de que poderia exonerá-lo no início desta semana. Mas Bolsonaro preferiu, por enquanto, manter o auxiliar no cargo.

Análise da consultoria Bites apontou que, até as 20h30 de ontem, foram registrados 489 mil posts pró-Mandetta, o equivalente a 21% de todos os referentes ao ministro desde 6 de março. No Google, durante um período de quatro horas, o interesse pelo ministro nas consultas realizadas no Brasil era o dobro daquelas relacionadas ao próprio presidente da República.

Por outro lado, o movimento a favor da demissão do ministro tentou uma reação e chegou a criar um conjunto de hashtags contrárias a Mandetta. Contudo, todo o conjunto de hashtags de caráter negativo ao ministro alcançou 81 mil citações no Twitter — quase cinco vezes menos que as favoráveis ao auxiliar de Bolsonaro.

Outro dado que fornece um sinal do movimento pró-Mandetta nas redes é o fato de o artigo do jornal O Globo que dava como certa a exoneração do ministro ter sido o mais compartilhado entre 321 mil textos publicados nos últimos sete dias, incluindo-se mídia tradicional e alternativa.

Durante a crise envolvendo o ministro, auxiliares do presidente afirmaram a Oeste que um dos fatores que poderiam influenciar na manutenção ou exoneração de Mandetta era justamente o comportamento observado nas redes sociais.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. “Pois hão de se arrepender, todos os que apoiaram o ortopedistazinho político. O Nhonho/Botafogo e o Batoré estão estourando champagne francês. Tinha que demitir e colocar a Dra. Yamaguchi no lugar.

    Responder
  2. Perdeu a oportunidade de fazer uma boa troca no Ministerio Dra Yamaguchi já..

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês