Alemanha deve entrar em recessão em 2023

Falta do gás russo e alta dos preços da energia são as causas da crise econômica
-Publicidade-
Com o fim do fornecimento do gás russo, inflação disparou na Alemanha
Com o fim do fornecimento do gás russo, inflação disparou na Alemanha | Foto: Reprodução/Flickr

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha deve encolher 0,4% em 2023 por causa da falta de gás e da crescente inflação no país, de acordo com um estudo do Instituto Alemão de Pesquisas Econômicas (IFO), divulgado nesta segunda-feira, 12. “Estamos entrando em uma recessão de inverno”, disse Timo Wollmershäuser, diretor do IFO.

O estudo prevê uma recessão técnica no primeiro trimestre de 2023, com queda de 0,4% no PIB, depois de uma queda de 0,2% no quarto trimestre de 2022. A inflação deve aumentar ainda mais, chegando a 11% no próximo ano, anunciou Wollmershäuser. Em agosto, a inflação anual na Alemanha chegou a 8,8%.

Nos países da Zona do Euro, a inflação tem batido sucessivos recordes desde o ano passado, como consequência das medidas de lockdown e, posteriormente, em razão da invasão da Ucrânia pela Rússia, em fevereiro. A partir de então, o governo russo tem diminuído o fornecimento de gás à Europa.

-Publicidade-

Em julho, o Nord Stream 1, o gasoduto que abastece a Europa com gás russo, começando pela Alemanha, reduziu o fornecimento para 20% da capacidade. No fim de agosto, a Rússia anunciou a interrupção por tempo indeterminado, alegando falhas técnicas do equipamento.

A Alemanha, que recebia 55% de seus suprimentos da Rússia antes da guerra, passou a comprar gás em outros mercados, a preços muito mais altos, o que impulsionou a inflação, não apenas no território alemão, mas em toda a Europa. E a tendência é de continuidade da alta. “Os fornecedores de energia vão ajustar significativamente os seus preços de eletricidade e gás, em particular no início de 2023”, estimou o IFO.

Recessão ainda neste ano

O presidente do Banco Central alemão, Joachim Nagel, considera “possível” que a Alemanha entre em recessão já no terceiro ou no quarto trimestre deste ano, e que permaneça com o crescimento negativo até o início do próximo ano, segundo afirmou, em entrevista no domingo 11, à rádio alemã Deutschlandfunk.

Segundo o IFO, durante o primeiro trimestre de 2023, a taxa de inflação subirá para cerca de 11%, afetando severamente o poder de compra das famílias. Com o cenário de crise, o governo alemão adotou no início de setembro um terceiro plano de medidas para ajudar os mais pobres, mas isso não será capaz de compensar a perda esperada de poder de compra, segundo o IFO.

O relatório realizado pela equipe de Wollmershäuser somente prevê a volta da “normalidade” da situação a partir de 2024.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Boa, Agnaldo! Os diplomatas alemães que riram do discurso de Trump na ONU (2018) alertando-os sobre os riscos da dependência energética dos russos não devem chorar no inverno, pois as lágrimas podem congelar. Como sempre, é o povo quem paga.

  2. Só para colocar o dedo na ferida, lembro q Donald Trump, o melhor presidente americano depois de Reagan, alertou a Alemanha para o suicídio nacional de suspender a energia de usinas termelétricas e nucleares em troca da falácia ambiental mentirosa vendida pelos comunoglobalistas.
    Todos riram dele. Agora paguem caro e cortem lenha.

    Parabéns, Paulo Guedes!
    Em palestra na ABRASEL, vc disse q ia ligar o f***-se para a Europa por ela estar ficando irrelevante para o maravilhoso crescimento brasileiro implementado por Bolsonaro.

    É isso aí. Quiseram nos pressionar com a Amazônia, com ongs e boicotes, agora CHUPEM!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.